• Novo Layout em teste: Coisas Internacionais Análises, Elucubrações e Noticias sobre Relações Internacionais, Religião e Política
  • "24 horas por dia... Lendo, refletindo, pensando, o Brasil e o mundo." (Paulo Roberto de Almeida)
  • Vote Coisas Internacionais no TOPBLOGS 2011. Basta clicar no selo do concurso

STRATFOR: On Obama and the Nature of Failed Presidencies

obamabravo O Stratfor – famososo (ou infame) – site de análises estratégicas conhecido por focar na inteligência e temas de poder hoje fez uma dura análise da presidência Obama. Divirtam-se, em inglês como no original.

On Obama and the Nature of Failed Presidencies

By George Friedman

We do not normally comment on domestic political affairs unless they affect international affairs. However, it is necessary to consider American political affairs because they are likely to have a particular effect on international relations. We have now entered the final phase of Barack Obama's presidency, and like those of several other presidents since World War II, it is ending in what we call a state of failure. This is not a judgment on his presidency so much as on the political configuration within it and surrounding it.

The midterm elections are over, and Congress and the president are in gridlock. This in itself is not significant; presidents as popular as Dwight Eisenhower found themselves in this condition. The problem occurs when there is not only an institutional split but also a shift in underlying public opinion against the president. There are many more sophisticated analyses of public opinion on politics, but I have found it useful to use this predictive model.

Analyzing a President's Strength

I assume that underneath all of the churning, about 40 percent of the electorate is committed to each party. Twenty percent is uncommitted, with half of those being indifferent to the outcome of politics and the other half being genuinely interested and undecided. In most normal conditions, the real battle between the parties -- and by presidents -- is to hold their own bases and take as much of the center as possible.

So long as a president is fighting for the center, his ability to govern remains intact. Thus, it is normal for a president to have a popularity rating that is less than 60 percent but more than 40 percent. When a president's popularity rating falls substantially below 40 percent and remains there for an extended period of time, the dynamics of politics shift. The president is no longer battling for the center but is fighting to hold on to his own supporters -- and he is failing to do so.

When the president's support has fragmented to the point that he is fighting to recover his base, I considered that a failed presidency -- particularly when Congress is in the hands of the opposition. His energy cannot be directed toward new initiatives. It is directed toward recovering his base. And presidents who have fallen into this condition near the end of their presidencies have not been likely to recover and regain the center.

Historically, when the president's popularity rating has dipped to about 37 percent, his position has been unrecoverable. This is what happened to George W. Bush in 2006. It happened to Richard Nixon in 1974 when the Watergate crisis resulted in his resignation, and to Lyndon Johnson in 1967 during the Vietnam War. It also happened to Harry Truman in 1951, primarily because of the Korean War, and to Herbert Hoover before World War II because of the Great Depression.

However, this is not the final historical note on a presidency. Truman, enormously unpopular and unable to run for another term, is now widely regarded as one of the finest presidents the United States has had. Nixon, on the other hand, has never recovered. This is not therefore a judgment on Obama's place in history, but simply on his current political condition. Nor does it take failure to lose the presidency; Jimmy Carter was defeated even though his popularity remained well in the 40s.

Obama's Presidency

Of the five failed presidencies I've cited, one failed over scandal, one over the economy and three over wars -- Korea, Vietnam and Iraq. Obama's case is less clear than any. The 40 percent who gravitated to the opposition opposed him for a host of reasons. He lost the center for complex reasons as well. However, looking at the timing of his decline, the only intruding event that might have had that impact was the rise of the Islamic State and a sense, even in his own party, that he did not have an effective response to it. Historically, extended wars that the president did not appear to have a strategy for fighting have been devastating to the presidency. Woodrow Wilson's war (World War I) was short and successful. Franklin Roosevelt's war (World War II) was longer, and although it began in failure it became clear that a successful end was conceivable. The Korean, Vietnam and two Iraq wars suffered not from the length, but from the sense that the presidency did not have a war-ending strategy. Obama appears to me to have fallen into the political abyss because after eight years he owned the war and appeared to have no grip on it.

Failure extends to domestic policy as well. The Republican-controlled legislature can pass whatever legislation it likes, but the president retains veto power, and two-thirds of both houses must vote to override. The problem is that given the president's lack of popularity -- and the fact that the presidency, all of the House of Representatives and one-third of the Senate will be up for re-election in two years -- the president's allies in Congress are not as willing to be held responsible for upholding his vetoes. Just as few Democrats wanted Obama campaigning for them, so too do few want to join the president in vetoing majority legislation. What broke Truman, Johnson and Nixon was the moment it became clear that their party's leaders in Congress wanted them gone.

Acting Within Constraints

This does not mean that the president can't act. It simply means that it is enormously more difficult to act than before. Gerald Ford, replacing Nixon but weakened by the pardoning of his predecessor, could not stop Congress from cutting off aid to South Vietnam during the final Communist assault. George W. Bush was able to launch the surge, but the surge was limited in size, not only because of strategic conditions but also because he had lost the ability to force Congress to fund alternative expansions of the war. In each of the failed presidencies, the president retained the ability to act but was constrained by the twin threats of an opposition-controlled Congress and his own party's unwillingness to align with him.

At the same time, certain foreign diplomatic initiatives can continue. Nixon initiated negotiations between Egypt and Israel that culminated, under Carter's administration, in the Camp David Accords. Truman tried to open negotiations with China, and the initiative's failure had little to do with opposition to a negotiated settlement in Korea.

The president has few domestic options. Whatever Obama does with his power domestically, Congress can vote to cut funding, and if the act is vetoed, the president puts Congressional Democrats in mortal danger. The place where he can act -- and this is likely the place Obama is least comfortable acting -- is in foreign policy. There, the limited deployment of troops and diplomatic initiatives are possible.

Obama's general strategy is to withdraw from existing conflicts in the Middle East and contain and limit Russian actions in Ukraine. The president has the ability to bring military and other pressure to bear. But the United States' opponent is aware that the sitting president is no longer in control of Washington, that he has a specific date of termination and that the more unpopular things he does, the more likely his successor is to repudiate them. Therefore, in the China-North Korea model, the assumption is that that continuing the conflict and negotiating with the successor president is rational. In the same sense, Iran chose to wait for the election of Ronald Reagan rather than deal with Jimmy Carter (who was not a failed president).

This model depends on the opponent's having the resources and the political will to continue the conflict in order to bargain with the president's successor, and assumes that the successor will be more malleable. This is frequently the result, since the successor can make concessions more readily than his predecessor. In fact, he can make those concessions and gain points by blaming the need to concede on his predecessor. Ironically, Obama used this strategy after replacing George W. Bush. The failed president frequently tries to entice negotiation by increasing the military pressure on the enemy. Truman, Johnson and George W. Bush all took this path while seeking to end their wars. In no case did it work, but they had little to lose politically by trying.

Therefore, if we follow historical patterns, Obama will now proceed slowly and ineffectively to increase military operations in Syria and Iraq, while raising non-military pressure on Russia, or potentially initiating some low-level military activities in Ukraine. The actions will be designed to achieve a rapid negotiating process that will not happen. The presidency will shift to the other party, as it did with Truman, Johnson and George W. Bush. Thus, if patterns hold true, the Republicans will retake the presidency. This is not a pattern unknown to Congress, which means that the Democrats in the legislature will focus on running their own campaigns as far away from Obama and the next Democratic presidential candidate as possible.

The period of a failed presidency is therefore not a quiet time. The president is actively trying to save his legacy in the face of enormous domestic weakness. Other countries, particularly adversaries, see little reason to make concessions to failed presidents, preferring to deal with the next president instead. These adversaries then use military and political oppositions abroad to help shape the next U.S. presidential campaign in directions that are in their interests.

It is against this backdrop that all domestic activities take place. The president retains the veto, and if the president is careful he will be able to sustain it. Obama will engage in limited domestic politics, under heavy pressure from Congressional Democrats, confining himself to one or two things. His major activity will be coping with Syria, Iraq and Russia, both because of crises and the desire for a legacy. The last two years of a failed presidency are mostly about foreign policy and are not very pleasant to watch.

"On Obama and the Nature of Failed Presidencies is republished with permission of Stratfor."

Read More

Dilma no G-20

dilmag20 A recém re-eleita presidente Dilma Rousseff foi para a Austrália participar do G-20, claro que havia uma enorme sombra perseguindo a mandatária com a nova rodada de prisões da Operação Lava-Jato.

A agenda da presidente em Brisbane teve encontros bi-laterais importantes com o Xi Jinping e Ângela Merkel. Na reunião com o presidente chinês foi assinado um acordo que retirou o embargo à carne brasileira, uma boa notícia para um país com crescentes déficits em Conta Corrente.

O Communiqué do encontro em suas 4 páginas de diplomatiquês deixa claro que foi uma reunião sem grandes avanços na coordenação da condução dos assuntos econômicos mundiais. Era esperado que fosse assim, já que pressões geopolíticas se impuseram entre os membros tornando ainda mais difícil encontrar coesão. O texto (que pode ser lido aqui) mostra que geração de emprego e controle da relação PIB – Dívida Nacional continuam como temas urgentes no combate aos efeitos da crise de 2008.

A crescente disputa entre a Rússia e o Ocidente deu tom geral da reunião. Qualquer acordo seria dificultado, uma oportunidade excelente para que os emergentes, oportunidade é claro que exigiria muito compromisso e habilidade política de quem se predispusesse a serenar os ânimos. O Brasil não demonstrou nenhum movimento nesse sentido, o que se coaduna com o baixo perfil da diplomacia da administração Rousseff.

Aliás, a presidente, em coletiva disse sobre a Ucrânia:

“O Brasil, no caso da Ucrânia, nunca definiu uma posição. Nós nunca nos manifestamos e evitamos sistematicamente nos envolver em assuntos internos. Não é do interesse do governo brasileiro se manifestar a respeito de qualquer problema dentro da Ucrânia, nem de um lado nem de outro”.

Essa fala da presidente reforça o que eu já havia escrito aqui, em 3 de setembro:

“O problema é quando parceiros estratégicos de alto relevo agem de maneira controversa e essa aliança acaba impondo um silêncio conivente do Brasil, para um país que tem buscado com muito afinco o status de Ator Global, ou seja, por definição uma voz relevante nos assuntos planetários. E esse projeto tem se calcado na aliança com os outros gigantes emergentes.

[...]A Rússia tem se envolvido em violações da soberania Ucraniana. E a tradição diplomática brasileira sempre foi visceralmente avessa a esse tipo de violação, mas nesse caso tem mantido um silêncio loquaz. E nem vou levar em consideração os que por ideologia ou apreço a conspiração que tacham os ucranianos de nazistas.”

Dilma conseguiu um acordo com a China muito aguardado pelo agronegócio brasileiro, e talvez pela demonização desse setor pelos grupos mais vocais da base da presidente, esse acordo não foi muito celebrado com o triunfalismo governamental típico desses momentos. Claro, que as prisões de diretores da Petrobras e de grandes executivos das principais empreiteiras do país empurraram o governo pra defensiva. Não é surpresa que esse escândalo ofusque as ações presidenciais, afinal a Petrobras é a menina dos olhos da visão de estatismo indutor da economia tão defendido (e popular) no Brasil. Além disso, a Política Externa sob a gestão Dilma foi enfraquecida em prestígio e orçamento e a participação de Dilma no G-20, mostra que nem a pressão por um menor déficit externo parece ter mudado o lócus dos assuntos externos na agenda da mandatária.

Leia Mais

Encontro de Negócios Internacionais em Campinas, 13/11

16ºERN_Versão Final As oportunidades de negócios internacionais são muitas, mas exigem além de capacidades empreendedoras, conhecimento e network e para ajudar nesse sentido os rotaryanos de Campinas criaram um encontro de negócios, que rapidamente vai se consolidando.

Aos internacionalistas em formação ou já formados que vislumbrem no empreendedorismo seus perfil de inserção internacional não podem perder essa oportunidade de criarem parcerias e vivenciarem o mundo real.

O evento 16o Encontro de Rotarianos e Negócios ocorre em Campinas dia 13 de novembro das 08h às 12h, inscrições, em: www.rotarianosenegocios.com.br

Abaixo o release do evento.

COM NOVOS PARCEIROS, ROTARY CLUB PROMOVE O 16º NCONTRO DE NEGÓCIOS PARA AQUECER ECONOMIA EM CAMPINAS E REGIÃO

Empresários e executivos de Campinas e região reúnem-se dia 13 de novembro, a partir das 08h00, no Expo Dom Pedro - Centro de Convenções e Eventos, à av. Guilherme Campos, 500, para uma manhã repleta de oportunidades de novos negócios e fechamento de parcerias. Com expectativa de reunir aproximadamente 400 participantes, o Encontro de Rotarianos e Negócios, na sua 16ª edição, ganhou status de centro de excelentes oportunidades para formalização de mercados.

A iniciativa é do Rotary Club, mas a organização ao longo dos últimos anos reuniu também não rotarianos, transformando o ERN em uma oportunidade real para conhecer novos mercados e fechar negócios.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas acessando o site: www.rotarianosenegocios.com.br, de forma gratuita. O perfil dos participantes abrange empresários, executivos, representantes de entidades de classe, autoridades e público com foco no empreendedorismo, interessados em aumentar suas redes de relacionamentos, com reflexos em suas cadeias de negócios.

Para o gestor do ERN, Leonardo Tiroli, o evento é uma excelente oportunidade de aumentar o network, dando visibilidade às empresas. “Pelo alto nível de participação, e pela presença de profissionais com poder de decisão, nosso encontro de negócios reconhecidamente tem se transformado em um indutor de negócios”, explica. “Somos protagonistas do desenvolvimento econômico e social da região de Campinas”, avalia Tiroli.

Diversas empresas de Campinas e região estarão presentes em busca de integração e parcerias, dentro de um ambiente informal, com a ajuda dos patrocinadores que viabilizam as redes de contatos. Na prática, o encontro é uma rara oportunidade de desbravar mercados e criar oportunidades de negócios com parceiros que buscam também vislumbrar novos cenários.

O Evento terá divulgação regional, pois tem apoio oficial do Distrito 4590 de Rotary International, que abrage 42 cidades, reunindo um total de mais de 70 Rotary Club ́s, totalizando mais de 1.600 Rotarianos (as). O distrito abrange desde Campinas, como as cidades de: Jundiaí, Piracicaba, Limeira, Araras, Paulínia, Itatiba, Atibaia, Valinhos, Vinhedo, todo o Circuito das Aguas e diversas outras cidades.

Este Encontro marca uma mudança significativa no projeto. Ele passa a ser um Evento Internacional, uma vez que foi fechada uma parceria com o Rotary Club Boca West, em Boca Raton, Florida, através do rotariano e presidente do referido Rotary Club, Carlo Barbieri.

O 16º ERN se constitui por esses motivos em uma excelente oportunidade para desbravar mercados e criar oportunidades de negócios com parceiros que buscam também vislumbrar novos cenários.

Além do Rotary Club, o encontro tem ainda apoio do Ciesp - Campinas, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Campinas, Câmara de Comércio Exterior de Campinas e Região e de diversas empresas.

Nesta edição, como parte do evento, os participantes inscritos acompanharão três palestras, sendo a primeira sobre “Planejamento Estratégico”, com o palestrante internacional Carlos Moura, que irá abordar o tema com sua metodologia GOLF For Business e a segunda com

Ives Muller, sócio da Deloitte, que irá abordar o “Projeto Fome”, na área de empreendimento social, mostrando o crescimento deste projeto global que surgiu no Brasil e foi recepcionado pela equipe do Papa Francisco, no Vaticano, como um dos 100 projetos globais capazes de acabar com

a fome no mundo, além de uma breve apresentação do Dr. Carlo Barbieri, sobre o “Mercado de internacionalização de empresas Brasil-EUA e sobre investimentos nos EUA”. Esta terceira palestra é parte integrante do encontro porque envolve um assunto de interesse, cujo enfoque é o mercado e suas relações com seus protagonistas.

Também será assinado um Acordo de Cooperação Internacional entre o ERN e a Americana Oxford Institute, com sede na Flórida, para intercâmbios, cooperação de negócios, parcerias, pesquisas e projetos comuns.

Sobre o Rotary Club

O Rotary Club é uma organização sem fins lucrativos voltada para o apoio ao empreendedorismo, trabalho comunitário e filantropia. Desde 1905, quando foi criado, esse conceito integra história do Rotary, que atualmente reúne mais um milhão de membros em mais de duzentos países.

A prática da união coordenada para negócios por meio da aproximação de profissionais faz parte da cultura do Rotary Club, uma organização sem fins lucrativos, classificada como Clube de Serviços e voltada ao apoio ao empreendedorismo, trabalho comunitário, desenvolvimento de lideranças e filantropia.

O primeiro Rotary Club surgiu em 1905, da rotina de encontros dos amigos Gustavus Loehr, Silvester Scheile, Hiram Schiele e Paul P.Harris para conversar e discutir interesses profissionais, sob o clima de amizade e companheirismo típico dos homens de bem. Desde então, esse conceito passou a fazer parte da história do Rotary, que atualmente reúne mais um milhão e duzentos mil membros, distribuídos em mais de 180 países.

Encontro de Rotarianos e Negócios

Em 2010, os rotarianos da região de Campinas, Distrito 4590 de Rotary International, identificaram a necessidade da criação de um grupo formado por pessoas ligadas a diversos segmentos do ramo empresarial, para encontros de discussão e negócios. Com o apoio da empresa Rochatur Turismo, em 2011 deu-se o primeiro encontro, denominado Rotary Negócios RMC, que contou com o rotariano Sung Tien Lo como principal mentor.

Em seguida, uma agenda de encontros foi criada para as discussões e definições quanto às diretrizes sobre os eventos seguintes, como a questão do perfil do público participante. Estabeleceu-se então que o evento seria aberto não somente a rotarianos, como todo o público formado por industriais, prestadores de serviços, profissionais do comercio exterior, operadores trading, profissionais liberais, distribuidores e varejistas.

A partir do 4º Encontro, em 2011, o Rotariano Leonardo Tiroli assumiu a coordenação do projeto e atualmente exerce a função de gestor do ENR para que o evento esteja em constante crescimento e maior visibilidade regional e nacional.

Imagem Pública de Rotary

O Encontro de Rotarianos e Negócios tem auxiliado muitos os Rotary Clubs do Distrito 4590, quanto à sua imagem Pública de Rotary, tema tão importante e discutido hoje no mundo rotário.

Com a projeção dos Rotarianos participantes do evento, alinhados com grandes organizações como CIESP, Associações Comerciais, Secretarias de Desenvolvimento Econômico, o evento conseguiu atrair uma gama de potenciais Rotarianos, muito valorosos, que até então nem sabiam o que era Rotary.

Atualmente em Campinas há diversos casos de novos rotarianos, que conheceram o Rotary através do evento, e hoje prestam valorosos serviços à comunidade.

Expansão do projeto

O apoio do CIESP-Campinas (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), por intermédio de seu Diretor Titular, José Nunes Filho, marcou também um avanço nas diretrizes do projeto, ao atrair os associados para os encontros.

Essa estratégica parceria projetou o evento e chamou a atenção de grandes grupos empresariais para apoio, patrocínio e participação no evento.

A continuidade desse vitorioso projeto “Encontro de Rotarianos e Negócios” será consolidada, com o interesse de seus organizadores, de conseguir auxiliar os Rotary Clubs do Brasil e exterior, a criarem células regionais, estaduais, nacionais e internacionais do encontro, para além de socialização, estabelecer cenários de network para criar e potencializar negócios. Afinal, a concepção de negócios e parcerias por meio da aproximação de interesses e pelas vias dos valores da amizade, ética e companheirismo fazem parte da cultura e do DNA do Rotary Club.

Entre os desafios dos patrocinadores e apoiadores do Encontro está a necessidade de maior interação entre os empresários com a criação de estímulos e mecanismos para que todos se conectem e aproveitem o tempo que estão no encontro, de maneira que se conheçam e divulguem suas funcionalidades.

A maciça participação nos nossos encontros permite que empresários tenham acesso a novos mercados e, mais que isso, criam condições para que seus produtos e serviços possam ser acessados e conhecidos dentro de um ambiente de negócios cuja ideia é promover o desenvolvimento de seus participantes.

FICHA TÉCNICA

16o Encontro de Rotarianos e Negócios

13/novembro/2014 – Das 08h00 às 12h00

Local: Expo Dom Pedro - Centro de Convenções e Eventos

Avenida Guilherme Campos, 500 – Campinas

Inscrições: www.rotarianosenegocios.com.br

CONTATOS

Usina do Texto

Marcos Sambo (MTb 16.603/SP)

Emails: sambo@usinadotexto.com e contato@usinadotexto.com

Cel (19) 9.9162-1150

Leia Mais

Os adesivos por Francisco Seixas da Costa

desfocada Já escrevi inumaras vezes aqui que trabalhar com Relações Internacionais é por vezes ter que conviver com gente “imprópria” para o consumo humano, ou seja, presidentes são fotografados dando as mãos a déspotas. No texto que reproduzo abaixo (original aqui) o ex-embaixador de Portugal no Brasil, o grande diplomata Francisco Seixas da Costa nos conta de maneira leve um desses episódios e ainda nos dá uma boa receita para minimizar os incômodos que fotos podem nos trazer.

Os adesivos

Por Francisco Seixas da Costa

Um dia, no Brasil, ao tempo em que eu era por lá embaixador, uma figura da Justiça aproximou-se de mim, depois de um jantar, e perguntou-me, discretamente, se eu conhecia uma determinada pessoa. O nome não me dizia nada, pelo que devo ter respondido negativamente. "É estranho, porque há uma fotografia dele consigo num processo que lhe foi movido por uma grave acusação e pelo qual ele está em prisão preventiva".

Fiquei siderado! Tomei nota do nome do detido e, também discretamente, para não colocar em causa a pessoa que, para me alertar, quebrara o segredo de justiça, procurei informar-me sobre quem era. Não foi fácil. Para um embaixador português que, num país como o Brasil, é uma figura com uma alguma exposição, que se cruza com largas centenas de pessoas, onde é coisa comum tirar fotografias com quem se acaba de conhecer em ocasiões públicas, a possibililidade de ser visto ao lado de uma "pessoa errada" é muito elevada. E, tempos mais tarde, vim a entender o que tinha acontecido: num grande jantar em casa de uma amiga essa figura havia também estado presente e, a certo ponto, tinha pedido para tirar uma fotografia comigo. O que é que eu poderia ter feito?

Um amigo brasileiro, que foi algumas vezes ministro, a quem contei o episódio, deu-me uma "dica" preciosa: "quando alguém desconhecido lhe pedir, numa festa ou numa ocasião pública, para tirar uma fotografia consigo, e não havendo razão para você poder recusar isso, convide de imediato alguém seu conhecido que esteja por perto para se juntar ao retrato. Assim, você nunca ficará sozinho numa fotografia com alguém que não conhece". Conselho sábio.

Vem isto a propósito de uma cena que ontem testemunhei na televisão, na qual António Costa é "apanhado" a cumprimentar, num encontro que se vê que é totalmente casual, alguém que se verifica ser um burlão perseguido pela Interpol (a polícia portuguesa, pelos vistos, anda bastante distraída) que, tal como centenas de outras pessoas, teve acesso a essa sessão aberta ao público. Naturalmente que "dá jeito" a quem agora começa a assustar-se com a crescente popularidade do futuro líder socialista explorar, de forma algo miserável, este tipo de ensejos, por forma a criar uma subliminar impressão de convívios inconvenientes.

Não sei o que aconteceu ao presumível delinquente com quem fui fotografado no Brasil, nem faço ideia se figuro ainda num qualquer caixilho, em sua casa ou na sua cela. Mas, ontem, senti-me bem solidário com António Costa na operação em que pretenderam envolvê-lo.

Leia Mais

Soft Power ou ingerência?

Elias-Jaua-Brasil-5 O governo da Venezuela assinou um acordo de cooperação com o Movimento dos Sem Terra, como os dois atores são polêmicos (e polarizadores) é provável que muito se vá escrever e falar sobre essa parceria.

É lugar comum dizer que Nye mudou a maneira como analistas de Relações Internacionais olham para a questão do poder e sua fungibilidade no Sistema Internacional (lócus onde interagem os Atores Internacionais como Estados, Organizações Internacionais e grupos de opinião e interesse específico como ambientalistas, por exemplo). Nye mostrou que há maneiras brandas, sedutoras de exercer poder, isto é, de influenciar atores para que tenham o comportamento desejado sem usar fatores coercitivos.

Grosso modo, Soft Power tem maiores chances de funcionar quando o proponente da ação possui atratividade cultural, valores políticos claramente discerníveis na sua realidade interna e política externa vista como legitima e moralmente correta. Afinal, isso seria atrativo para outros atores.

O acordo entre o MST e o Governo da Venezuela segundo a página do Ministério das “Comunas y los Movimientos Sociales” da Venezuela visa:

“fortalecer lo que es fundamental en una revolución socialista, que es la formación, la conciencia y la organización del pueblo para defender lo que ha logrado y seguir avanzando en la construcción de una sociedad socialista”

Vemos que é claramente uma ação governamental aliada a um grupo de interesse especial calcado em valores comum, visando influenciar a opinião pública brasileira para adotar políticas que seriam desejadas pelo governo da República Bolivariana da Venezuela.

A questão é que não vivemos o marco de uma revolução socialista, então temos um governo estrangeiro abertamente fomento uma troca de regime, o que desqualificaria a tese de que se trata de simples cooperação técnica nos moldes de uma política de Soft Power. Claro, que os simpatizantes do governo bolivariano dirão que é apenas um discurso empolgado e que eles vêem o governo petista como revolucionário e socialista. E que eles apenas buscam capitalizar em cima da “memória afetiva” que as palavras revolução socialista têm no imaginário brasileiro.

Não sou desses que vê perigo vermelho a toda política distributiva (a não ser vermelho no orçamento) e não vejo elementos que apontem para a derrocada da república brasileira e sua queda no comunismo. Mas, ainda assim não consigo encontrar justificativas conceituais para que essa parceria seja apenas uma política de Soft Power, de sedução.

Por que um estrategista em busca de seduzir o público brasileiro, sabendo que amplos setores da opinião pública do Brasil têm muitas restrições ao MST e a imagem bolivariana da Venezuela, servindo até de espantalho em discussões políticas locais?

Esse tipo de ação acaba por inócua, mas não deixa de ser desagradável e pede por uma resposta rígida do governo brasileiro sob pena de estimular ingerências anti-sistêmicas, que podem não ser assim tão inócuas.

Leia Mais

Evento: II Fórum Universitário de Paradiplomacia e simulação de negociação

FUP_imagem_divulgação Abaixo o release do evento.

Atenção, Internacionalistas! Inscrições abertas para a Simulação do II Fórum Universitário de Paradiplomacia

Reforçando o interesse em ampliar o contato entre alunos universitários de Relações Internacionais e a prática da paradiplomacia, a Assessoria Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de São Paulo realiza nos dias 10, 11 e 12 de dezembro a segunda edição do Fórum Universitário de Paradiplomacia, promovendo uma simulação de negociação internacional no tema “Regiões das Américas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Serão 120 vagas para participar deste modelo inédito de simulação! Você tem interesse em participar? Escolha sua dupla e faça a inscrição: http://goo.gl/K2ng7q

E não deixe de curtir a página do Fórum no Facebook: http://www.facebook.com/forumparadiplomacia

Leia Mais

Evento: Seminário Relações Internacionais Contemporâneas, 04/11, Teresina

O Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Piauí (UFPI) realiza o Seminário Relações Internacionais Contemporâneas e o Papel do Atores Não Estatais: Desafios, cenários e protagonismos. No dia 4 de novembro de 2014. No folder detalhes do programa

seminário_1

Leia Mais

Oportunidade: Workshop Consultoria Política, Brasília, 9-10 out

workshop Os agitados e competentes alunos da minha querida Alma Mater, Universidade Católica de Brasília estão realizando um excelente Workshop em Consultoria Política: Carreira e Oportunidades, em Brasília dias 9 e 10 de outubro.

O elenco de palestrantes é jovem e com currículos adensados. Abaixo o release do evento.

Nascido de uma iniciativa conjunta do Professor MSc. Creomar de Souza e dos Núcleos de Estudos: USSP (United States Studies Program), IMAGE (International Marketing Agency) e CONEX (Empresa Júnior em Consultoria de Negócios Exteriores e Comércio Internacional), os Workshops RiUCB foram criados com a intenção de fortalecer a capacitação dos estudantes de Relações Internacionais do Distrito Federal através do oferecimento da oportunidade de debater temáticas atuais no campo de atuação dos Internacionalistas.

A primeira edição traz à luz a temática da carreira e oportunidades para profissionais de Relações Internacionais na Consultoria Política. Contando com a presença de nomes consagrados, o projeto é pioneiro e as vagas são limitadas!

Link da página do curso: www.facebook.com/workshopriucb

Telefone para contato: 061 3356 9422 ou Matheus Atanam (Conex) - 061 9975 7473

Leia Mais

Edital para pesquisadores em Segurança e Defesa Nacional

pesquisa Chamada CNPq/Pandiá Calógeras

Programa Álvaro Alberto de Indução à Pesquisa em Segurança Internacional e Defesa Nacional

N º 29/2014

O Instituto Pandiá Calógeras do Ministério da Defesa e o CNPq lançaram conjuntamente, no dia 06 de outubro de 2014, o Programa Álvaro Alberto de Indução à Pesquisa em Segurança Internacional e Defesa Nacional. A chamada pública tem por objetivo fomentar a pesquisa sobre Segurança Internacional e Defesa Nacional por meio da seleção de propostas para apoio financeiro a projetos de pesquisa sobre temas relevantes para a inserção internacional do Brasil e a gestão da defesa nacional, no campo das ciências humanas e sociais aplicadas, em duas linhas de pesquisa: Entorno Estratégico e Economia da Defesa.

As duas linhas de pesquisa incluem os seguintes temas prioritários:

Entorno Estratégico

• A defesa nas fronteiras terrestres da América do Sul: o processo de integração regional sul-americana e sua relação com iniciativas de cooperação na área de defesa e segurança.

• Novas e velhas ameaças: a identificação de novas ameaças e os meios de combatê-las, em articulação com o enfrentamento das ameaças tradicionais, no marco do arcabouço legal vigente.

• Segurança marítima no Atlântico Sul: a promoção da consciência situacional nos mares do Atlântico Sul; o combate à pirataria e a outros ilícitos no mar e a cooperação com países africanos sul-atlânticos para defesa e segurança marítima no marco da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (Zopacas).

• Inserção internacional do Entorno Estratégico brasileiro: diálogos nos fóruns multilaterais; interesses de potências extrarregionais no Entorno Estratégico brasileiro; influência de atores não governamentais; ameaças cibernéticas e possíveis estratégias de cooperação para seu enfrentamento; áreas de fricção entre os países do Entorno Estratégico;

• Plano de Articulação e Equipamento de Defesa (PAED): a adequação dos projetos estratégicos definidos pelo PAED aos possíveis cenários de sua aplicação.

Economia da Defesa

• Recursos humanos e defesa nacional: a formação de recursos humanos para gerir a defesa nacional, inclusive no campo da cooperação internacional.

• Inovação e Defesa nacional: o Sistema de Inovação nacional brasileiro e as estratégias para fomentar a inovação e a revitalização da Base Industrial de Defesa brasileira - linhas de financiamento, garantias e peculiaridades do mercado de defesa.

• PAED: adequação dos programas de equipamento das Forças Armadas às capacidades previstas pela END e demais documentos do setor; a formulação de projetos de Força e sua articulação com o PAED no longo prazo; efetividade dos instrumentos governamentais de fomento à Base Industrial de Defesa; credenciamento das Empresas Estratégicas de Defesa (EED), homologação dos Produtos Estratégicos de Defesa e o mapeamento das cadeias produtivas do setor.

• Orçamento de defesa: estabilidade e projeções do fluxo orçamentário do MD e sua adequação às necessidades das Forças Armadas; a viabilidade política e econômica de se ampliar o percentual do PIB destinado ao orçamento de defesa; estratégias de reequilíbrio das contas orçamentárias visando diminuir ajustar dispêndios com pessoal, investimentos e custeio a projetos de força no longo prazo; critérios para vinculação do orçamento a segmentos estratégicos no País, inclusive via fundos setoriais, e sua aplicação ao campo da defesa; possibilidade de incremento orçamentário das Forças Armadas por meio de “royalties” oriundos de atividades relacionadas ou protegidas pelas Forças; adequação das infraestruturas críticas às necessidades de Defesa.

• Cooperação internacional: possibilidades de integração das bases industriais de defesa no âmbito da UNASUL, no marco da integração produtiva de cadeias globais de valor e de políticas de offset; diversificação de fontes de recursos para as Forças Armadas.

O programa disponibilizará o total de R$ 800.000,00 (oitocentos mil reais) para a elaboração de pesquisas sobre Segurança Internacional e Defesa Nacional, sendo que cada projeto poderá contar com, no máximo, R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais) para o desenvolvimento das pesquisas durante 24 meses. O valor pode incluir a concessão de bolsas, a realização de viagens e eventos e, ainda, a aquisição de equipamentos, material permanente e material bibliográfico. Caberá ao proponente definir em seu projeto sobre a melhor forma de utilizar o recurso.

O prazo para a apresentação de propostas é 05/11/2014.

Mais informações e a chamada completa podem ser obtidos pelo link: http://www.cnpq.br/web/guest/chamadas-publicas?p_p_id=resultadosportlet_WAR_resultadoscnpqportlet_INSTANCE_0ZaM&filtro=abertas&detalha=chamadaDivulgada&idDivulgacao=5363 -

Leia Mais

O valor do voto

confirma Sabe quando você abre o editor de textos pra escrever sobre a eleição de amanhã e aí você desenha o esqueleto do texto e procura elementos pra adensar a reflexão que se propõe, então nessa caminhada você acaba se deparando com um escrito que toca com elegância e concisão no ponto que você queria fazer. Eu chamo esse processo de doce-desilusão. Doce por que ler coisas boas nutre o intelecto, desilusão por que o texto que se pretendia, já não é necessário. Queria escrever sobre o valor do voto na democracia, Paulo Roberto de Almeida chegou lá, antes de mim.

Os radicais de vários matizes, orgulhosos de seu extremismo, desprezam a democracia, o sistema como gostam de chamar, colocam epítetos na democracia para na defesa do totalitarismo ou do autoritarismo possam dizer que defendem a democracia que seria verdadeira. Truque barato, que funciona. Quantos por dia não defendem uma intervenção militar ou a ruptura do sistema pela via esquerdista?

Um problema que identifico em toda América Latina, que tem essa esperança atávica de uma solução mágica e single undertanking de todos os problemas nacionais na constante mudança de textos constitucionais, essa vontade legitima de melhoria e avanço é manipulada facilmente e ao pensar sobre o valor do voto é preciso ter em mente que não existem “balas de prata”, soluções rápidas e miraculosas para todos os problemas nacionais e que é saudável que haja divergência até na identificação desses problemas. Mas, os orgulhosos radicais não gostam dessa verdade. Sem mais delongas deixo vocês com o texto de Paulo Roberto de Almeida e um bom voto amanhã, alea jacta est.

O valor do voto na democracia

Paulo Roberto de Almeida

A democracia foi definida, por Winston Churchill, como o pior dos regimes políticos, à exceção de todos os demais. De fato, ela não é a solução-milagre para todos os problemas sociais e econômicos que um povo enfrenta no caminho da prosperidade. Mas é ela que permite, de forma racional e pacífica, ainda que de maneira delongada e não isenta de confronto de opiniões, a busca de soluções para os principais problemas da sociedade, através dos mecanismos de representação política.

As prioridades mais comuns na vida das pessoas são: segurança na esfera privada, garantia de que os bens não serão tomados ou expropriados de forma ilegal, boas condições de habitação e de transportes, um emprego capaz de garantir sua manutenção e a de familiares, possibilidades de ascender na vida pelo trabalho honesto e  o acesso a cuidados razoáveis de saúde. A condição para que estes objetivos sejam alcançados é o nível de desenvolvimento social. Os elementos essenciais para a prosperidade de um povo são dados por um conjunto de requerimentos usualmente encontráveis nas democracias de mercado.

1) Estabilidade macroeconômica: ou seja, inflação baixa, valor de compra da moeda preservado, contas públicas equilibradas, juros e câmbio regulados mais pelo próprio mercado do que pelas manipulações dos governos.

2) Competição microeconômica: ambiente aberto à livre concorrência entre indivíduos e empresas, mediante inovações tecnológicas, sem a ação de monopólios e carteis; a competição saudável é a melhor garantia de que os consumidores terão bons produtos a preços acessíveis.

3) Boa governança: instituições sólidas, responsáveis e controladas por órgãos independentes e pela própria cidadania; justiça disponível a todos, rápida e justa; ampla segurança na defesa do patrimônio e respeito aos contratos; os representantes do povo devem ser abertos à verificação de suas ações, por meio da mais ampla e transparente publicidade no exercício de suas funções.

4) Alta qualidade dos recursos humanos: a boa educação para crianças e jovens, nos níveis básico, médio e técnico-profissional, é a garantia de que o país poderá prosperar mediante ganhos de produtividade e inovações tecnológicas; essa é a base mediante a qual se fazem boas universidades e instituições de pesquisa; todos devem ter acesso igualitário a uma educação de qualidade.

5) Abertura ao comércio e aos investimentos estrangeiros: os países mais ricos são aqueles mais abertos ao comércio internacional e aos capitais produtivos, sem discriminações falsamente nacionalistas; mais importante, aliás, do que o comércio de bens é o intercâmbio de ideias; a sua diversidade faz a riqueza de um povo.

Tais requisitos são mais comuns num ambiente democrático e numa economia de mercados livres do que em regimes fechados e dotados de um sistema político pouco. transparente.

Paulo Roberto de Almeida

[Tacoma, WA 9 de setembro de 2014]

Leia Mais

Eleição brasileira vista de Portugal, por Francisco Seixas da Costa

Brasil-portugal O ex-embaixador português no Brasil (leitor ocasional dessa página, para nosso orgulho) Francisco Seixas da Costa faz uma breve e elegante análise da visão portuguesa acerca do pleito brasileiro. O texto vai tal qual o original que pode ser lido aqui.

Brasil

Por Francisco Seixas da Costa

Qual dos candidatos às eleições presidenciais brasileiras poderá, à partida, ser mais favorável aos interesses que a Portugal compete defender nas suas relações com aquele país? A recondução de Dilma Roussef será preferível à hipótese de eleição de Marina Silva ou à escolha, agora cada vez mais improvável, de Aécio Neves? Este exercício é apenas teórico, porquanto o bom senso recomenda que não nos imiscuamos numa compita que, sendo profundamente democrática, terá como resultante final a vontade  de um país que, em qualquer circunstância, permanecerá no quadro da nossa atenção próxima.

Mas nem sempre foi assim. Durante muitos anos, a vida política interna brasileira, podendo ocupar o interesse de alguns, estava longe de constituir, entre nós, um motivo para a mobilização de opiniões. A razão por que isso mudou é interessante de ser observada.

Data de há cerca de duas décadas o início de um novo ciclo de intensificação das relações entre Portugal e o Brasil. No plano económico, radica na presença de capitais portugueses no processo brasileiro de privatizações. A partir daí, verifica-se também uma crescente retoma dos fluxos comerciais bilaterais. No mesmo sentido, uma "moda" brasileira instalou-se, por algum tempo, nos hábitos turísticos portugueses.

Depois, foram as pessoas. Portugal encheu-se de um Brasil indiferenciado, em busca de trabalho, que nos trouxe um país que as imagens das novelas nos tinha levado a pensar que conhecíamos. Uma efémera afloração de riqueza encheu entretanto de portugueses o Nordeste brasileiro, com outros a acreditarem que pelo Brasil podiam encontrar o "ouro" nos negócios fáceis. Nessas aventuras de um lado e de outro, houve coisas que correram bem, outras nem por isso. Passámos a entender melhor as nossas qualidades e os nossos defeitos mútuos. Caímos "na real", como se diz no Brasil.

Na política, muito dependeu sempre do modo como os dirigentes de ambos os lados se articularam. Historicamente, havia sido nos conservadores brasileiros que Portugal podia contar com os seus maiores amigos. Mas iria ser Lula da Silva, homem oriundo de outro setor, a revelar-se o nosso mais sólido apoio e a concretizar gestos de grande afetividade por nós. Daí decorreu, por exemplo, um impulso importante para o interesse empresarial brasileiro por Portugal ou um estímulo à ação da TAP, que hoje nos enche o país de turistas a falar a língua do gerúndio.

Mas, não nos iludamos, há muitos problemas que subsistem. Com África de permeio e a Europa em fundo, demos já passos interessantes para um melhor trabalho em conjunto, nomeadamente em torno da língua que nos junta. Mas a CPLP titubeia pela dificuldade de acomodar o gigantismo brasileiro numa estrutura luso-centrada.

Por tudo isso, não nos é indiferente quem venha a titular a voz do Brasil nos próximos tempos. Temos um candidato? Claro que sim. O nosso candidato é aquele que confira mais estabilidade, que lhe induza maior crescimento e bem-estar e que seja capaz de garantir um reforço do estatuto internacional do país. Esse é o candidato que nos interessa. Deixamos que sejam os brasileiros a escolhê-lo.

Leia Mais

Livro: The Drama of Brazilian Politics: From Dom João to Marina Silva

drama politics Paulo Roberto de Almeida e Ted Goertzel editam o livro “The Drama of Brazilian Politics:  From Dom João to Marina Silva” recém lançado em formato eletrônico para Kindle. Meu amigo Paulo Roberto de Almeida é dessas pessoas cuja produtividade nos espanta e em certa medida nos deixa humildes, o homem é quase uma máquina, quase por que as máquinas ainda não são tão criativas. O livro custa apenas 2,99 Dólares, vale muito a pena. Abaixo mais informações sobre a publicação.

The Drama of Brazilian Politics: From Dom João to Marina Silva

Ted Goertzel and Paulo Roberto de Almeida (eds.):

(Amazon Digital Services; Kindle Book, 2014, 278 p.; ISBN: 978-1-4951-2981-0;ASIN: B00NZBPX8A; book length: 1199 KB; Sales Price: $ 2.99) 
available at: http://www.amazon.com/dp/B00NZBPX8A

Table of Contents:

Preface

Introduction, by Ted Goertzel

1. The Drama of Brazilian Politics: from Dom João to Marina Silva, by Ted Goertzel

2. The Politics of Economic Regime Change in Brazilian History, by Paulo Roberto de Almeida

3. The Brazilian Presidency: From the Military Regime to the Workers’ Party, by João Paulo M. Peixoto

4. A Woman’s Place is in the Presidency: Dilma, Marina and Women’s Representation in Brazil, by Farida Jalalzai and Pedro G. dos Santos

5. A Brazilian ex-President’s Public Speech: A Threat to the Existing Order?, by Inês Signorini

6. Life Without Turnstiles, by Alipio de Sousa Filho

7. The Changing Face of Brazilian Politics: Lessons of the 2013 Protests, by Sue Branford and Jan Rocha

8. Political Leadership and Protest in Brazil: The 2013 Vinegar Revolt in Comparative Perspective, by Guy Burton

9. Presidential Leadership and Regime Change in Brazil with Comparisons to the United States and Spanish America, by Ted Goertzel

Preface:

This book was conceived by Ted Goertzel in the summer of 2012 as part of his life-long interest in Brazil and “elective affinity” with things Brazilian, going back to his days as a participant observer in the Brazilian student protests of 1966 to 1968. After publishing biographies of two of Brazil’s presidents, he found that there was very little scholarly literature on the role of the presidency in Brazilian politics and society. Rather than undertake such a comprehensive study on his own, he decided to consult some members of the Brazilian Studies Association to find colleagues who shared an interest in putting the Brazilian presidency in an historical perspective and a comparative context.

The experts who responded came from different countries – Brazil, England and the United States – and varied widely in their ideological and dispositions and professional backgrounds. We have made no effort to homogenize the chapters; each has a clear authorial voice. Paulo Roberto de Almeida, a diplomat doublé as academic, responded very enthusiastically to this project, and was able to contribute with his life-long acquaintance of all-things Brazilian and as well as a deep knowledge of American Brazilianists, a by-product of his “elective affinities” with this community of scholars.

The Brazilian Protests of mid-2013 took place as we were working on this project and stimulated us to think as much about Brazil’s future as its past. While the protests were largely unexpected in Brazil, they fitted into theories of presidential leadership and regime change. We wanted to use our historical and comparative research to offer what insight we could into the future.

We also wanted to make our work available in October, 2014, when interest would be high because of the Brazilian presidential elections. So we took advantage of e-book technology to bring the reader a volume that is both timelier and less expensive than traditionally published volumes. We plan to use the same technology to update the volume after the elections, and we invite readers to contact us with comments and suggestions, as well as with corrections for any errors they may find.

We expect this work to offer, both for scholars and for the general public, a comprehensive understanding of the Brazilian political system in its contemporary developments and challenges.

Ted Goertzel

Paulo Roberto de Almeida

September 2014

Leia Mais

Guerra Psicológica em tempo de ISIS

uae piloto mulher Guerra Psicológica ou operações psicológicas estão sempre presentes nos discursos dos teóricos da conspiração, mas são sim operações conduzidas pelas forças armadas e de inteligência de todo o globo, de fato é possível, obter definições em todos os textos de Doutrina Militar das diversas forças. A definição varia um pouco, mas é o emprego de táticas de propaganda para influenciar amigos, inimigos e neutros a adotarem certo comportamento desejado. O uso das redes sociais pelo Estado Islâmico (uso ISIS por conta do SEO, pequena concessão em nome da audiência) tem se mostrado uma operação eficaz de recrutamento e são um bom exemplo de operação psicológica.

O soldado médio do ISIS é uma pessoa com uma cosmovisão bem radicalizada no sentido dos papeis tradicionais da pessoa numa sociedade que ele considera ideal, esse guerreiro é motivado por uma missão metafísica e também nesse plano estaria a recompensa pelo seu sacrifício em combate e pela sua firmeza de convicção demonstrada na crueldade de seus atos com os inimigos e na férrea imposição do que acredita ser a lei divina.

Esse soldado médio é bem suscetível a argumentos que muitos considerariam místicos, por exemplo, ele busca além dos objetivos militares e de cumprir sua missão a entrada no reino de Deus. A cultura religiosa radical que cria esse tipo de soldado e sua missão é bem machista então é bem comum que esse grupo veja as mulheres como submissas a eles e as mulheres de grupos rivais e que não comungam de sua visão religiosas como criaturas não-humanas.

Não é preciso ser um gênio em operações militares e psique humana para perceber o estrago que atiradoras de elite são capazes de gerar no moral de uma tropa que compartilha os valores acima.

Nos últimos dias a piloto dos Emirados Árabes Unidos a Major Mariam Al Mansouri se tornou o rosto da campanha aérea contra o ISIS, claro que isso se deve a conjunção da coragem, profissionalismo e treinamento da Major e a necessidade da guerra psicológica como dizem em inglês foi “a match made in heaven” . As missões da piloto dos EAU parecem ter sido desenhadas para causar impacto no soldado médio do ISIS em sua crença que ser morto por uma mulher é uma desonra que reverbera nas esferas metafísicas e com isso refrear o momento que o moral desses militantes está alto com as conquistas territoriais.

Não é sempre que podemos ver tão claramente uma operação de guerra psicológica e será interessante acompanhar como isso vai se desenrolar, mesmo por que a corajosa Major Mariam Al Mansouri agora é um alvo gigantesco.

Leia Mais

Dilma na ONU 2014

dilmaonu2014 O discurso de abertura da Assembléia Geral das Nações Unidas é um privilégio brasileiro desde a fundação da ONU (o porquê disso é uma excelente história, se você não sabe, pesquise) e mais uma vez a presidente Dilma foi a ONU aproveitar o maior palco político planetário. Ano passado havia uma expectativa sobre o discurso da mandatária brasileira que se dava em meio ao escândalo da revelação da massiva – e abusiva – máquina de espionagem global da NSA. Esse ano a atenção, contudo, não foi a mesma.

Comparada a estréia Dilma já se mostra mais a vontade nesse tipo de discurso, o conteúdo do discurso deixou claro o desprezo da presidente quanto aos assuntos externos e o papel secundário dado ao Itamaraty. Nenhum diplomata profissional permitiria que se trate crises diferentes como Rússia e Ucrânia e combate ao ISIS num só ‘balaio’.

Dilma insistiu no velho discurso da reforma do Conselho de Segurança e da governança global, sem demonstrar liderança efetiva nesse sentido. Não concordo com a meta de Cadeira no Conselho de Segurança, mas se esse é um objetivo, só será alcançado quando o Brasil já for de fato um ator relevante em assuntos de defesa e assim poderá requisitar que seja também ator de direito.

Já gastei muitos e muitos bytes explicando minha objeção a Cadeira no Conselho de Segurança, o elemento central do meu argumento é que esse tipo de posição exige um preço alto em tesouro e sangue de nossos jovens, que não é devidamente comunicado a sociedade brasileira.

Um peculiar pacifismo no atacado surgiu no discurso da presidente:

“Não temos sido capazes de resolver velhos contenciosos nem de impedir novas ameaças. O uso da força é incapaz de eliminar as causas profundas dos conflitos. Isso está claro na persistência da questão Palestina, no massacre sistemático do povo sírio, na trágica desestruturação nacional do Iraque, na grave insegurança na Líbia, nos conflitos no Sahel e nos embates na Ucrânia. A cada intervenção militar não caminhamos para a paz mas, sim, assistimos ao acirramento desses conflitos.”

A preocupação com soluções pacíficas é sim algo importante e historicamente o sustentáculo da Política Externa Brasileira, principalmente no relacionamento com os vizinhos. E igualmente nobre e sensato é a posição de preocupação com as populações civis afetadas, mas expressar isso sem um plano de ação, ainda que limitado pelas condições brasileiras, são palavras ao vento.

A noção de solução negociada com o ISIS parece ser contrariada pelos relatos dos que fogem das áreas conquistadas pelo Estado Islâmico e nesse particular as lindas palavras de Dilma nos lembra o pacifismo desmedido de Neville Chamberlain.

Foi um discurso proferido em meio a uma amarga campanha pela reeleição e isso se fez sentir, mas o que restou claro é que a presidente não tem apreço (nem conhecimento) pelas questões externas, nem pelos diplomatas. O discurso demonstrou, também, uma desconexão com a realidade das coisas internacionais.

Leia Mais

Eleições no Brasil: Visões contrarianistas

FIMURNA Dois textos fundamentais de Paulo Roberto de Almeida sobre as eleições, marcados pela iconoclastia – ácida por definição – que é núcleo duro do contrarianismo que por sua vez é um modo de ver o mundo com ceticismo e rigor intelectual, não é um ismo por se, mas uma atitude pragmática de ver as coisas.

O que está em jogo nestas eleições: Reflexões de circunstância e de alguma constância

Paulo Roberto de Almeida

Eleições, todas elas, são, majoritariamente, um retrato instantâneo da realidade em que se vive, e, num segundo plano, mas de forma inconsciente ou minimizada, uma projeção utópica do futuro que se deseja. Ou seja, se espera que políticos – mandatários ou representantes do povo – possam fazer pelos seus eleitores aquilo que gostaríamos que eles fizessem por nós, todos nós. Trata-se, portanto, de um reflexo da conjuntura em que se vive e de uma esperança depositada num cenário prospectivo, que se imagina ser melhor do que o atual.

Os militantes da causa, e os true believers (existe certa identidade entre as duas categorias), votam pelos chefes, pelas palavras de ordem que lhes são passadas e que eles incutem como obrigação pessoal, quaisquer que sejam a dita conjuntura e os cenários prospectivos que eles possam traçar individualmente: eles são obedientes e determinados, mas também são poucos, no conjunto dos eleitores e sozinhos não poderiam determinar um resultado eleitoral, a não ser marginalmente, ou em circunstâncias excepcionais. Na maior parte das vezes, eleições são o resultado da expressão majoritária de eleitores comuns, cidadãos trabalhadores, pessoas simples, que sempre fazem algum tipo de cálculo quanto à melhor representação de seus interesses.

Eleitores, em geral, mesmo os mais ignorantes e deseducados politicamente, votam de acordo com os seus interesses materiais, não de acordo com crenças abstratas, salvo aquela minoria de militantes disciplinados e de true believers, já mencionados.

A massa dos eleitores brasileiros é constituída por pessoas da baixa classe média e dos chamados estratos populares, ou seja, pessoas e famílias com renda não superior a 2,5 salários mínimos, que compram quase tudo pelo famoso sistema dos “dez vezes sem juros”, e que possuem uma educação elementar, talvez rústica, para empregar uma palavra neutra. Muitos integram aqueles analfabetos funcionais de que falam algumas pesquisas sobre a capacidade de leitura e compreensão (mínimas) de grande parte da população adulta (talvez mais de um terço). Mesmo os que completaram mais de um ciclo de estudos, não internalizaram de verdade sua educação formal, e retiram a maior parte de sua percepção do mundo dos meios audiovisuais de comunicação e de informação, que são os canais abertos de massa, rádios populares e, crescentemente, a internet. Todos eles possuem celulares, mesmo camponeses e garis de rua, e todos eles possuem uma compreensão razoável do que seja um político: um sujeito que está ali para tirar vantagens pessoais a cada quatro anos, mas que pode, eventualmente, trazer algum benefício ao eleitor e à sua família, geralmente um emprego no Estado, o asfalto, a iluminação pública, a saúde, a segurança.

Eleições são momentos de acordos tácitos entre os candidatos e os eleitores, os primeiros mentindo desbragadamente, os segundos fingindo que acreditam, mas esperando tirar mais vantagens do candidato A do que do candidato B.

As eleições brasileiras de 2014 não serão diferentes na forma e nas modalidades de suas predecessoras, com a distinção atual de que o partido hegemônico construiu uma formidável máquina eleitoral – graças ao uso indiscriminado e inescrupuloso de recursos públicos, legal e ilegalmente – e faz absoluta questão de continuar mantendo controle sobre o poder, de uma forma ou de outra (e provavelmente mais de outra do que de uma). Sendo um partido true believer, mas especificamente neobolchevique e não religioso – ou religioso à sua maneira –, ele acha que encarna os interesses populares, e que é o único capaz de transformar o Brasil à sua imagem e semelhança. O que seria isso?: idealmente, uma sociedade igualitária, voltada para a promoção social e a inclusão dos mais pobres na sociedade de consumo, junto com a limitação do que ele percebe serem as perversidades econômicas e as iniquidades sociais naturalmente vinculadas ao capitalismo. Eles acreditam sinceramente nisso, mas apenas os militantes da causa, e esta é a sua legitimação política aos olhos de seus eleitores potenciais.

Na prática, e de forma muito diferente da imagem idealizada, os oligarcas que dominam o partido, com a ajuda de apparatchiks profissionais – exatamente segundo o modelo bolchevique – constituem uma associação voltada exclusivamente aos seus interesses pessoais, e que não hesitam, e sobretudo não hesitarão, em usar quaisquer meios disponíveis para preservar e aumentar esse poder de que dispõem atualmente. Nesse sentido, eles correspondem etimologicamente ao que se poderia chamar de máfia, ou seja, uma entidade inescrupulosa voltada para a defesa exclusiva dos interesses dos oligarcas que a compõem, e para a expansão de sua riqueza e poder, de todos os tipos.

De fato, seu comportamento é o de uma máfia, mas que atua não exclusivamente pelo segredo e na clandestinidade, escondendo os seus crimes (o que eles também fazem, sem nenhuma hesitação). Como partido político, que é sua face mais visível, eles também atuam de forma aberta – embora não desprezem os meios ilegais quando necessário, e em outras circunstâncias também – e têm a missão de conquistar seus devotos mais fiéis, como uma igreja de true believers, enfim. Aparentemente, ele foram bem sucedidos, pois conseguiram criar um formidável curral eleitoral que responde pelo nome de Bolsa Família. É isso que torna estas eleições diferentes das precedentes.

O que está em jogo, portanto, nestas eleições, é a continuidade da máfia no poder, ou uma alternância eleitoral, o que se afigura difícil. A pequena educação política da população brasileira parece indicar que a máfia será bem sucedida em seu projeto de continuidade do poder. É isto que está em jogo em outubro de 2014.

Paulo Roberto de Almeida

Toronto, 21 de setembro de 2014

A realidade e a percepção: Como distinguir uma da outra?

Paulo Roberto de Almeida

Pessoas normais são influenciadas pelo que leem, ouvem, veem, sobretudo na televisão, e agora, crescentemente, nos meios digitais de comunicação e de informação. Daí a importância da propaganda e da publicidade (as duas não devem ser confundidas) na formação de imagens, conceitos, de opiniões.

O PT, partido formado em boa parte por quadros conscientes dos efeitos da propaganda política sobre as grandes massas, aprendeu, desde sempre, a importância de dispor de uma eficiente máquina de propaganda (e não tanto de publicidade, pelo menos não a verdadeira) para obter vitórias políticas e eleitorais.

O que se assistiu, na última década (mais exatamente nos últimos doze anos) foi a uma campanha maciça de propaganda destinada justamente a enaltecer os feitos dos governos lulo-petistas, servindo, paralelamente, para ampliar os recursos do partido com oportunidades inéditas de faturamento semilegal, como evidenciado em diversos casos de contratações suspeitas ou claramente superfaturadas.

Uma comparação dos gastos “publicitários” dos governos anteriores com os recursos mobilizados e executados sob os governos lulo-petistas revelaria, justamente, um crescimento exponencial desses gastos, muito acima do simples crescimento do PIB, bem mais do que a inflação e até superiores ao aumento – já por si exagerado – dos gastos públicos em geral, todos eles em escala ascendente. A população brasileira não tem consciência da evolução especialmente exorbitante desses gastos, e certamente se espantaria se lhe fosse apresentada uma tabela comparando, por exemplo, a expansão da propaganda indevida – que se tenta disfarçar como publicidade governamental – com o crescimento (ou até a diminuição relativa) das despesas em saúde, educação, transportes ou segurança pública.

A realidade desses setores é amplamente negativa, como revelado nas manifestações espontâneas da classe média (nova ou velha, não importa muito agora) de junho de 2013, mas a percepção que a população tem do governo e dos governantes é sem dúvida, amplamente mais favorável do que deveria ser, fruto, justamente, da intensa propaganda feita em favor desses governos, pelos próprios. Essa percepção é parte tornada ainda mais distante da realidade por obra de uma classe de jornalistas amplamente favorável ao governo, o que também é fruto de anos e anos de uma formação deficiente nas faculdades de jornalismo, maciçamente dominadas por uma ideologia antimercado e pró-intervenção do Estado na economia.

Esses dois fatores básicos – gastos excessivos em propaganda governamental e atitude favorável de repórteres e jornalistas – explicam a grande distância entre a boa imagem do governo e o seu péssimo desempenho na maior parte dos gastos públicos. O esforço governamental, sobretudo partidário, continua de forma ainda mais intensa, e deve produzir resultados eleitorais compatíveis com os recursos investidos. Como se diz na linguagem publicitária, a propaganda é a alma do negócio. Nunca antes na história do Brasil o negócio político vendeu sua alma para assegurar a continuidade de um poder construído em grande medida sobre a base de imagens falsas.

Provavelmente, como também se acredita no meio político, as percepções são mais importantes do que os fatos. E não existe nenhuma dúvida de que as versões mais frequentes são aquelas apoiadas na propaganda mais intensa. Recursos não faltam para isso, ao que parece...

Paulo Roberto de Almeida

Toronto, 22 de setembro de 2014, com base em texto de:

Montreal, 4-5 de julho de 2014

Leia Mais

STRATFOR: The Origins and Implications of the Scottish Referendum

George Friedman oferece uma análise estruturada do referendo escocês, por compromissos profissionais não pude fazer a pesquisa aprofundada para tecer uma análise própria. Friedman oferece elementos interessantes que podem ajudar a compreender o referendo e outras questões similares por toda a Europa, principalmente.

The Origins and Implications of the Scottish Referendum

By George Friedman

The idea of Scottish independence has moved from the implausible to the very possible. Whether or not it actually happens, the idea that the union of England and Scotland, which has existed for more than 300 years, could be dissolved has enormous implications in its own right, and significant implications for Europe and even for global stability.

The United Kingdom was the center of gravity of the international system from the end of the Napoleonic Wars until World War II. It crafted an imperial structure that shaped not only the international system but also the internal political order of countries as diverse as the United States and India. The United Kingdom devised and drove the Industrial Revolution. In many ways, this union was a pivot of world history. To realize it might be dissolved is startling and reveals important things about the direction of the world.

Scotland and England are historical enemies. Their sense of competing nationhoods stretches back centuries, and their occupation of the same island has caused them to fight many wars. Historically they have distrusted each other, and each has given the other good reason for the distrust. The national question was intertwined with dynastic struggles and attempts at union imposed either through conquest or dynastic intrigue. The British were deeply concerned that foreign powers, particularly France, would use Scotland as a base for attacking England. The Scots were afraid that the English desire to prevent this would result in the exploitation of Scotland by England, and perhaps the extinction of the Scottish nation.

The Union of 1707 was the result of acts of parliaments on both sides and led to the creation of the Parliament of Great Britain. England's motive was its old geopolitical fears. Scotland was driven more by financial problems it was unable to solve by itself. What was created was a united island, acting as a single nation. From an outsider's perspective, Scotland and England were charming variations on a single national theme -- the British -- and it was not necessary to consider them as two nations. If there was ever a national distinction that one would have expected to be extinguished in other than cultural terms, it was this one. Now we learn that it is intact. We need a deeper intellectual framework for understanding why Scottish nationalism has persisted.

The Principle of National Self-Determination

The French Enlightenment and subsequent revolution had elevated the nation to the moral center of the world. It was a rebellion against the transnational dynasties and fragments of nations that had governed much of Europe. The Enlightenment saw the nation, which it defined in terms of shared language, culture and history, as having an inherent right to self-determination and as the framework for the republican democracies it argued were the morally correct form of government.

After the French Revolution, some nations, such as Germany and Italy, united into nation-states. After World War I, when the Hapsburg, Hohenzollern, Romanov and Ottoman empires all collapsed, a wave of devolution took place in Europe. The empires devolved into their national components. Some were amalgamated into one larger nation, such as Yugoslavia or Czechoslovakia, while others, such as Poland, were single nation-states. Some had republican democracies, others had variations on the theme, and others were dictatorships. A second major wave of devolution occurred in 1992, when the Soviet Union collapsed and its constituent republics became independent nation-states.

The doctrine of the right to national self-determination drove the first wave of revolts against European imperialism in the Western Hemisphere, creating republics in the Americas. The second wave of colonial rising and European withdrawal occurred after World War II. In some cases, nations became self-determining. In other cases, nation-states simply were invented without corresponding to any nation and actually dividing many. In other cases, there were nations, but republican democracy was never instituted except by pretense. A French thinker, Francois de La Rochefoucauld, said, "Hypocrisy is the tribute that vice pays to virtue." Even while betraying its principles, the entire world could not resist the compulsion to embrace the principles of national self-determination through republican democracy. This effectively was codified as the global gold standard of national morality in the charters of the League of Nations and then the United Nations.

The Imperfection of the Nation-State

europe_languages The incredible power of the nation-state as a moral principle and right could be only imperfectly imposed. No nation was pure. Each had fragments and minorities of other nations. In many cases, they lived with each other. In other cases, the majority tried to expel or even destroy the minority nation. In yet other cases, the minority demanded independence and the right to form its own nation-state. These conflicts were not only internal; they also caused external conflict over the right of a particular nation to exist or over the precise borders separating the nations.

Europe in particular tore itself apart in wars between 1914 and 1945 over issues related to the rights of nation-states, with the idea of the nation-state being taken to its reductio ad absurdum -- by the Germans as a prime example. After the war, a principle emerged in Europe that the borders as they stood, however imperfect, were not to be challenged. The goal was to abolish one of the primary causes of war in Europe.

The doctrine was imperfectly applied. The collapse of the Soviet Union abolished one set of borders, turning internal frontiers into external borders. The Yugoslavian civil war turned into an international war once Yugoslavia ceased to exist, and into civil wars within nation-states such as Bosnia, Serbia and Croatia. At the same time, the borders in the Caucasus were redrawn when newly independent Armenia seized what had been part of Azerbaijan. And in an act that flew in the face of the principle, NATO countries divided Serbia into two parts: an Albanian part called Kosovo and the rest of Serbia.

The point of all this is to understand that the right to national self-determination comes from deep within European principles and that it has been pursued with an intensity and even viciousness that has torn Europe apart and redrawn its borders. One of the reasons that the European Union exists is to formally abolish these wars of national self-determination by attempting to create a framework that both protects and trivializes the nation-state.

Scotland's Case

The possibility of Scottish independence must be understood in this context. Nationalism, the remembrance and love of history and culture, is not a trivial thing. It has driven Europe and even the world for more than two centuries in ever-increasing waves. The upcoming Scottish election, whichever way it goes, demonstrates the enormous power of the desire for national self-determination. If it can corrode the British union, it can corrode anything.

There are those who argue that Scottish independence could lead to economic problems or complicate the management of national defense. These are not trivial questions, but they are not what is at stake here. From an economic point of view, it makes no sense for Scotland to undergo this sort of turmoil. At best, the economic benefits are uncertain. But this is why any theory of human behavior that assumes that the singular purpose of humans is to maximize economic benefits is wrong. Humans have other motivations that are incomprehensible to the economic model but can be empirically demonstrated to be powerful. If this referendum succeeds, it will still show that after more than 300 years, almost half of Scots prefer economic uncertainty to union with a foreign nation.

This is something that must be considered carefully in a continent that is prone to extreme conflicts and still full of borders that do not map to nations as they are understood historically. Catalonia, whose capital is Barcelona, the second-largest and most vibrant city in Spain, has a significant independence movement. The Treaty of Trianon divided Hungary so that some Hungarians live in Romania, while others live in Slovakia. Belgium consists of French and Dutch groups (Walloons and Fleming), and it is not too extreme to say they detest each other. The eastern half of Poland was seized by the Soviet Union and is now part of Ukraine and Belarus. Many Chechens and Dagestanis want to secede from Russia, as do Karelians, who see themselves as Finns. There is a movement in northern Italy to separate its wealthy cities from the rest of Italy. The war between Azerbaijan and Armenia is far from settled. Myriad other examples can be found in Europe alone.

The right to national self-determination is not simply about the nation governing itself but also about the right of the nation to occupy its traditional geography. And since historical memories of geography vary, the possibility of conflict grows. Consider Ireland: After its fight for independence from England and then Britain, the right to Northern Ireland, whose national identity depended on whose memory was viewing it, resulted in bloody warfare for decades.

Scottish independence would transform British history. All of the attempts at minimizing its significance miss the point. It would mean that the British island would be divided into two nation-states, and however warm the feelings now, they were not warm in the past nor can we be sure that they will be warm in the future. England will be vulnerable in ways that it hasn't been for three centuries. And Scotland will have to determine its future. The tough part of national self-determination is the need to make decisions and live with them.

This is not an argument for or against Scottish nationhood. It is simply drawing attention to the enormous power of nationalism in Europe in particular, and in countries colonized by Europeans. Even Scotland remembers what it once was, and many -- perhaps a majority and perhaps a large minority -- long for its return. But the idea that Scotland recalls its past and wants to resurrect it is a stunning testimony less to Scottish history than to the Enlightenment's turning national rights into a moral imperative that cannot be suppressed.

More important, perhaps, is that although Yugoslavia and the Soviet collapse were not seen as precedents for the rest of Europe, Scotland would be seen that way. No one can deny that Britain is an entity of singular importance. If that can melt away, what is certain? At a time when the European Union's economic crisis is intense, challenging European institutions and principles, the dissolution of the British union would legitimize national claims that have been buried for decades.

But then we have to remember that Scotland was buried in Britain for centuries and has resurrected itself. This raises the question of how confident any of us can be that national claims buried for only decades are settled. I have no idea how the Scottish will vote. What strikes me as overwhelmingly important is that the future of Britain is now on the table, and there is a serious possibility that it will cease to be in the way it was. Nationalism has a tendency to move to its logical conclusion, so I put little stock in the moderate assurances of the Scottish nationalists. Nor do I find the arguments against secession based on tax receipts or banks' movements compelling. For centuries, nationalism has trumped economic issues. The model of economic man may be an ideal to some, but it is empirically false. People are interested in economic well-being, but not at the exclusion of all else. In this case, it does not clearly outweigh the right of the Scottish nation to national-self determination.

I think that however the vote goes, unless the nationalists are surprised by an overwhelming defeat, the genie is out of the bottle, and not merely in Britain. The referendum will re-legitimize questions that have caused much strife throughout the European continent for centuries, including the 31-year war of the 20th century that left 80 million dead.

"The Origins and Implications of the Scottish Referendum is republished with permission of Stratfor."
Leia Mais

Oportunidade: Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários, Brasília, 18 e 19 de setembro

CIJE
Entre os dias 18 e 19 de setembro, em Brasília, jovens empresários de toda Ibero-América irão se reunir para o V CIJE Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários e debater integração e competitividade do ponto de vista de quem empreende, arregaça as mangas e assume o risco dos negócios. O Evento será aberto a visitantes que poderão assistir aos painéis e fazer network.
Os profissionais de qualquer campo sabem quão importante é o network para desenvolver suas atividades e essa é uma excelente oportunidade para os estudantes de Relações Internacionais começarem a somar vivência de negócios internacionais a sua formação acadêmica.
V CIJE – Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários

O QUE É O CIJE

Os Congressos Ibero-Americanos têm por missão promover o intercâmbio de experiências exitosas dos setores produtivos das regiões, favorecer circunstâncias que permitam a criação e a sustentabilidade das iniciativas empresariais, promover o turismo de negócios, bem como buscar a integração econômica regional e a formação de lideranças empresariais.

"FIJE: POR UMA IBERO-AMÉRICA MAIS COMPETITIVA E INTEGRADA"

A FIJE promoverá um projeto de fortalecimento do ambiente de negócios para o desenvolvimento econômico dos países ibero-americanos. O projeto é composto por três ações: Brasil: A Bola da Vez! – reuniões em 10 países ibero-americanos filiados à FIJE, para apresentar o projeto e fomentar o desenvolvimento do turismo de negócios no Brasil; Realização do V CIJE – Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários, cujo tema será “Por uma Ibero-América mais Competitiva e Integrada”; JE Negócios – lançamento da plataforma web para o desenvolvimento de negócios entre os países filiados à FIJE.
O público estimado é de 300 jovens líderes empresariais provenientes de 20 países da Ibero-América. Durante o evento haverá uma área de negócios e de relacionamento e o público estimado de visitantes é de 2.000 pessoas.

CONGRESSOS ANTERIORES

Desde 2010, a FIJE organiza anualmente o Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários – CIJE para promover a interação entre os jovens empresários e o compartilhamento de experiências. O objetivo do evento e seu público alvo têm despertado interesse de pessoas ilustres, como D. Felipe de Bourbon, Príncipe das Astúrias; o prêmio Nobel da Paz 2006, Muhammad Yunus; o Presidente da República do Brasil quando em exercício, José Alencar, bem como outros Presidentes de República e autoridades, de diversos países, que simpatizam com o movimento de jovens empresários.

PROGRAMA

17 de setembro, quarta-feira
Local: Sala de Reuniões, Hotel Base Concept
Endereço: Aeroporto Internacional de Brasília, Setor de Concessionárias, Lote 2, Brasília, DF, CEP: 71608-900
10h - 12h: Visita técnica ao Aeroporto Internacional de Brasília (Somente para presidentes de AJEs, Diretoria da FIJE e convidados)
12h - 14h: Almoço da FIJE
14h - 18h: Assembléia Geral e Assembléia Eleitoral da FIJE
20h: Confraternização de boas-vindas para delegação da FIJE
18 de setembro, quinta-feira
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Endereço: SDC Eixo Monumental, Lote 05, Ala Norte, Térreo, Brasília, DF, CEP: 70070-350
09h - 12h: Abertura do evento com autoridades e parceiros - Café Político Internacional com presidentes das AJEs da Ibero-América
12h - 14h: Almoço de confraternização
14h30 - 16h: Painel sobre Educação Empreendedora
16h - 16h30: Intervalo
16h30 - 18h: Painel sobre Energias Renováveis
18h - 20h: Happy hour e Lounge de relacionamento FIJE
20h - 23h30: Jantar do Bloco Mercosul de Jovens Empresários (somente para convidados)
19 de setembro, sexta-feira
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Endereço: SDC Eixo Monumental, Lote 05, Ala Norte, Térreo, Brasília, DF, CEP: 70070-350
08h30 - 09h30: Reunião Bloco Mercosul de Jovens Empresários (Somente para presidentes de AJEs, Diretoria do Bloco Mercosul e convidados)
10h - 12h: Palestra sobre financiamento de projetos para juventude
12h30 - 14h30: Almoço de confraternização
15h - 16h: Visita técnica ao Estádio Nacional Mané Garrincha (aberta a todos os participantes do evento)
16h - 18h: Palestra sobre a experiência da Copa do Mundo no Brasil e o esporte como ferramenta de desenvolvimento social
18h: Encerramento do evento: Happy hour e Lounge de relacionamento FIJE
19h - 21h: Jogo de futebol da Ibero-América
Mais informações em: http://cije.fije.org/index_pt.php
____________
Errata: O evento será nos dias 18 e 19 e não de 17 a 20 como havia informado. Confudi minha agenda na cidade com a do evento. Mea culpa, mea maxima culpa.
Leia Mais

Manifesto sobre o caso envolvendo o Banco Central e o Economista Alexandre Schwartsman

schwartsman Manifesto sobre o caso envolvendo o Banco Central e o Economista Alexandre Schwartsman*

A recente notícia de uma ação judicial contra o economista Alexandre Schwartsman deixou-nos perplexos. Todos nos acostumamos, durante anos, a ouvir críticas muito piores e inverídicas – como a de que o BACEN seria manipulado pelos bancos – sem qualquer retaliação. O respeito à crítica e ao debate transparente sobre a condução da política monetária, inclusive, tem sido um aspecto fundamental da atuação do BACEN, progressivamente construído desde a estabilização, há mais de duas décadas.

A judicialização como instrumento de repressão à divergência representa um retrocesso inaceitável. Felizmente, a denúncia não foi aceita pela justiça. A intolerância com a divergência e com a crítica ácida e o recurso da máquina pública para suprimir o contraditório, por meio da utilização de uma instituição pública para constranger alguém judicialmente, configuram uma prática incompatível com os valores que uma democracia deve ter e cultivar. Essa atitude prejudica a democracia e as instituições e merece o nosso mais veemente repúdio.

Assinam (inicialmente):
1. Affonso Celso Pastore
2. Afonso Bevilaqua
3. Alexandre Rands
4. Andre Lara Resende
5. André Portela
6. Armínio Fraga Neto
7. Carlos Eduardo Gonçalves
8. Carlos Eugênio da Costa
9. Carlos Melo
10. Carlos Viana de Carvalho
11. Carolina da Costa
12. Claudio Ferraz
13. Claudio Haddad
14. Cristina Terra
15. Eduardo Giannetti
16. Eduardo Zilberman
17. Elena Landau
18. Eliana Cardoso
19. Fabio Giambiagi
20. Guilherme Nobrega
21. Gustavo Franco
22. Gustavo Gonzaga
23. João Cesar Tourinho
24. João Manoel Pinho De Mello
25. José Alexandre Scheinkman
26. José Roberto Afonso
27. José Roberto Mendonça de Barros
28. Luiz Fernando Figueiredo
29. Maria Cristina Pinotti
30. Mansueto Almeida
31. Márcio Gomes Pinto Garcia
32. Marco Bonomo
33. Marcos de Barros Lisboa
34. Naercio Menezes Filho
35. Pedro Cavalcanti Ferreira
36. Roberto Castello Branco
37. Roberto Ellery Jr
38. Roberto Luis Troster
39. Rodrigo Azevedo
40. Ruy Ribeiro
41. Samuel Pessoa
42. Sergio Firpo
43. Sergio Lazzarini
44. Tiago Berriel
45. Tiago Cavalcanti
46. Vinicius Carrasco

_______________

Link para assinar a petição: http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR74543

*Texto escrito pelos autores da petição.

Leia Mais