• Novo Layout em teste: Coisas Internacionais Análises, Elucubrações e Noticias sobre Relações Internacionais, Religião e Política
  • "24 horas por dia... Lendo, refletindo, pensando, o Brasil e o mundo." (Paulo Roberto de Almeida)
  • Vote Coisas Internacionais no TOPBLOGS 2011. Basta clicar no selo do concurso

STRATFOR: The Origins and Implications of the Scottish Referendum

George Friedman oferece uma análise estruturada do referendo escocês, por compromissos profissionais não pude fazer a pesquisa aprofundada para tecer uma análise própria. Friedman oferece elementos interessantes que podem ajudar a compreender o referendo e outras questões similares por toda a Europa, principalmente.

The Origins and Implications of the Scottish Referendum

By George Friedman

The idea of Scottish independence has moved from the implausible to the very possible. Whether or not it actually happens, the idea that the union of England and Scotland, which has existed for more than 300 years, could be dissolved has enormous implications in its own right, and significant implications for Europe and even for global stability.

The United Kingdom was the center of gravity of the international system from the end of the Napoleonic Wars until World War II. It crafted an imperial structure that shaped not only the international system but also the internal political order of countries as diverse as the United States and India. The United Kingdom devised and drove the Industrial Revolution. In many ways, this union was a pivot of world history. To realize it might be dissolved is startling and reveals important things about the direction of the world.

Scotland and England are historical enemies. Their sense of competing nationhoods stretches back centuries, and their occupation of the same island has caused them to fight many wars. Historically they have distrusted each other, and each has given the other good reason for the distrust. The national question was intertwined with dynastic struggles and attempts at union imposed either through conquest or dynastic intrigue. The British were deeply concerned that foreign powers, particularly France, would use Scotland as a base for attacking England. The Scots were afraid that the English desire to prevent this would result in the exploitation of Scotland by England, and perhaps the extinction of the Scottish nation.

The Union of 1707 was the result of acts of parliaments on both sides and led to the creation of the Parliament of Great Britain. England's motive was its old geopolitical fears. Scotland was driven more by financial problems it was unable to solve by itself. What was created was a united island, acting as a single nation. From an outsider's perspective, Scotland and England were charming variations on a single national theme -- the British -- and it was not necessary to consider them as two nations. If there was ever a national distinction that one would have expected to be extinguished in other than cultural terms, it was this one. Now we learn that it is intact. We need a deeper intellectual framework for understanding why Scottish nationalism has persisted.

The Principle of National Self-Determination

The French Enlightenment and subsequent revolution had elevated the nation to the moral center of the world. It was a rebellion against the transnational dynasties and fragments of nations that had governed much of Europe. The Enlightenment saw the nation, which it defined in terms of shared language, culture and history, as having an inherent right to self-determination and as the framework for the republican democracies it argued were the morally correct form of government.

After the French Revolution, some nations, such as Germany and Italy, united into nation-states. After World War I, when the Hapsburg, Hohenzollern, Romanov and Ottoman empires all collapsed, a wave of devolution took place in Europe. The empires devolved into their national components. Some were amalgamated into one larger nation, such as Yugoslavia or Czechoslovakia, while others, such as Poland, were single nation-states. Some had republican democracies, others had variations on the theme, and others were dictatorships. A second major wave of devolution occurred in 1992, when the Soviet Union collapsed and its constituent republics became independent nation-states.

The doctrine of the right to national self-determination drove the first wave of revolts against European imperialism in the Western Hemisphere, creating republics in the Americas. The second wave of colonial rising and European withdrawal occurred after World War II. In some cases, nations became self-determining. In other cases, nation-states simply were invented without corresponding to any nation and actually dividing many. In other cases, there were nations, but republican democracy was never instituted except by pretense. A French thinker, Francois de La Rochefoucauld, said, "Hypocrisy is the tribute that vice pays to virtue." Even while betraying its principles, the entire world could not resist the compulsion to embrace the principles of national self-determination through republican democracy. This effectively was codified as the global gold standard of national morality in the charters of the League of Nations and then the United Nations.

The Imperfection of the Nation-State

europe_languages The incredible power of the nation-state as a moral principle and right could be only imperfectly imposed. No nation was pure. Each had fragments and minorities of other nations. In many cases, they lived with each other. In other cases, the majority tried to expel or even destroy the minority nation. In yet other cases, the minority demanded independence and the right to form its own nation-state. These conflicts were not only internal; they also caused external conflict over the right of a particular nation to exist or over the precise borders separating the nations.

Europe in particular tore itself apart in wars between 1914 and 1945 over issues related to the rights of nation-states, with the idea of the nation-state being taken to its reductio ad absurdum -- by the Germans as a prime example. After the war, a principle emerged in Europe that the borders as they stood, however imperfect, were not to be challenged. The goal was to abolish one of the primary causes of war in Europe.

The doctrine was imperfectly applied. The collapse of the Soviet Union abolished one set of borders, turning internal frontiers into external borders. The Yugoslavian civil war turned into an international war once Yugoslavia ceased to exist, and into civil wars within nation-states such as Bosnia, Serbia and Croatia. At the same time, the borders in the Caucasus were redrawn when newly independent Armenia seized what had been part of Azerbaijan. And in an act that flew in the face of the principle, NATO countries divided Serbia into two parts: an Albanian part called Kosovo and the rest of Serbia.

The point of all this is to understand that the right to national self-determination comes from deep within European principles and that it has been pursued with an intensity and even viciousness that has torn Europe apart and redrawn its borders. One of the reasons that the European Union exists is to formally abolish these wars of national self-determination by attempting to create a framework that both protects and trivializes the nation-state.

Scotland's Case

The possibility of Scottish independence must be understood in this context. Nationalism, the remembrance and love of history and culture, is not a trivial thing. It has driven Europe and even the world for more than two centuries in ever-increasing waves. The upcoming Scottish election, whichever way it goes, demonstrates the enormous power of the desire for national self-determination. If it can corrode the British union, it can corrode anything.

There are those who argue that Scottish independence could lead to economic problems or complicate the management of national defense. These are not trivial questions, but they are not what is at stake here. From an economic point of view, it makes no sense for Scotland to undergo this sort of turmoil. At best, the economic benefits are uncertain. But this is why any theory of human behavior that assumes that the singular purpose of humans is to maximize economic benefits is wrong. Humans have other motivations that are incomprehensible to the economic model but can be empirically demonstrated to be powerful. If this referendum succeeds, it will still show that after more than 300 years, almost half of Scots prefer economic uncertainty to union with a foreign nation.

This is something that must be considered carefully in a continent that is prone to extreme conflicts and still full of borders that do not map to nations as they are understood historically. Catalonia, whose capital is Barcelona, the second-largest and most vibrant city in Spain, has a significant independence movement. The Treaty of Trianon divided Hungary so that some Hungarians live in Romania, while others live in Slovakia. Belgium consists of French and Dutch groups (Walloons and Fleming), and it is not too extreme to say they detest each other. The eastern half of Poland was seized by the Soviet Union and is now part of Ukraine and Belarus. Many Chechens and Dagestanis want to secede from Russia, as do Karelians, who see themselves as Finns. There is a movement in northern Italy to separate its wealthy cities from the rest of Italy. The war between Azerbaijan and Armenia is far from settled. Myriad other examples can be found in Europe alone.

The right to national self-determination is not simply about the nation governing itself but also about the right of the nation to occupy its traditional geography. And since historical memories of geography vary, the possibility of conflict grows. Consider Ireland: After its fight for independence from England and then Britain, the right to Northern Ireland, whose national identity depended on whose memory was viewing it, resulted in bloody warfare for decades.

Scottish independence would transform British history. All of the attempts at minimizing its significance miss the point. It would mean that the British island would be divided into two nation-states, and however warm the feelings now, they were not warm in the past nor can we be sure that they will be warm in the future. England will be vulnerable in ways that it hasn't been for three centuries. And Scotland will have to determine its future. The tough part of national self-determination is the need to make decisions and live with them.

This is not an argument for or against Scottish nationhood. It is simply drawing attention to the enormous power of nationalism in Europe in particular, and in countries colonized by Europeans. Even Scotland remembers what it once was, and many -- perhaps a majority and perhaps a large minority -- long for its return. But the idea that Scotland recalls its past and wants to resurrect it is a stunning testimony less to Scottish history than to the Enlightenment's turning national rights into a moral imperative that cannot be suppressed.

More important, perhaps, is that although Yugoslavia and the Soviet collapse were not seen as precedents for the rest of Europe, Scotland would be seen that way. No one can deny that Britain is an entity of singular importance. If that can melt away, what is certain? At a time when the European Union's economic crisis is intense, challenging European institutions and principles, the dissolution of the British union would legitimize national claims that have been buried for decades.

But then we have to remember that Scotland was buried in Britain for centuries and has resurrected itself. This raises the question of how confident any of us can be that national claims buried for only decades are settled. I have no idea how the Scottish will vote. What strikes me as overwhelmingly important is that the future of Britain is now on the table, and there is a serious possibility that it will cease to be in the way it was. Nationalism has a tendency to move to its logical conclusion, so I put little stock in the moderate assurances of the Scottish nationalists. Nor do I find the arguments against secession based on tax receipts or banks' movements compelling. For centuries, nationalism has trumped economic issues. The model of economic man may be an ideal to some, but it is empirically false. People are interested in economic well-being, but not at the exclusion of all else. In this case, it does not clearly outweigh the right of the Scottish nation to national-self determination.

I think that however the vote goes, unless the nationalists are surprised by an overwhelming defeat, the genie is out of the bottle, and not merely in Britain. The referendum will re-legitimize questions that have caused much strife throughout the European continent for centuries, including the 31-year war of the 20th century that left 80 million dead.

"The Origins and Implications of the Scottish Referendum is republished with permission of Stratfor."
Read More

Oportunidade: Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários, Brasília, 18 e 19 de setembro

CIJE
Entre os dias 18 e 19 de setembro, em Brasília, jovens empresários de toda Ibero-América irão se reunir para o V CIJE Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários e debater integração e competitividade do ponto de vista de quem empreende, arregaça as mangas e assume o risco dos negócios. O Evento será aberto a visitantes que poderão assistir aos painéis e fazer network.
Os profissionais de qualquer campo sabem quão importante é o network para desenvolver suas atividades e essa é uma excelente oportunidade para os estudantes de Relações Internacionais começarem a somar vivência de negócios internacionais a sua formação acadêmica.
V CIJE – Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários

O QUE É O CIJE

Os Congressos Ibero-Americanos têm por missão promover o intercâmbio de experiências exitosas dos setores produtivos das regiões, favorecer circunstâncias que permitam a criação e a sustentabilidade das iniciativas empresariais, promover o turismo de negócios, bem como buscar a integração econômica regional e a formação de lideranças empresariais.

"FIJE: POR UMA IBERO-AMÉRICA MAIS COMPETITIVA E INTEGRADA"

A FIJE promoverá um projeto de fortalecimento do ambiente de negócios para o desenvolvimento econômico dos países ibero-americanos. O projeto é composto por três ações: Brasil: A Bola da Vez! – reuniões em 10 países ibero-americanos filiados à FIJE, para apresentar o projeto e fomentar o desenvolvimento do turismo de negócios no Brasil; Realização do V CIJE – Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários, cujo tema será “Por uma Ibero-América mais Competitiva e Integrada”; JE Negócios – lançamento da plataforma web para o desenvolvimento de negócios entre os países filiados à FIJE.
O público estimado é de 300 jovens líderes empresariais provenientes de 20 países da Ibero-América. Durante o evento haverá uma área de negócios e de relacionamento e o público estimado de visitantes é de 2.000 pessoas.

CONGRESSOS ANTERIORES

Desde 2010, a FIJE organiza anualmente o Congresso Ibero-Americano de Jovens Empresários – CIJE para promover a interação entre os jovens empresários e o compartilhamento de experiências. O objetivo do evento e seu público alvo têm despertado interesse de pessoas ilustres, como D. Felipe de Bourbon, Príncipe das Astúrias; o prêmio Nobel da Paz 2006, Muhammad Yunus; o Presidente da República do Brasil quando em exercício, José Alencar, bem como outros Presidentes de República e autoridades, de diversos países, que simpatizam com o movimento de jovens empresários.

PROGRAMA

17 de setembro, quarta-feira
Local: Sala de Reuniões, Hotel Base Concept
Endereço: Aeroporto Internacional de Brasília, Setor de Concessionárias, Lote 2, Brasília, DF, CEP: 71608-900
10h - 12h: Visita técnica ao Aeroporto Internacional de Brasília (Somente para presidentes de AJEs, Diretoria da FIJE e convidados)
12h - 14h: Almoço da FIJE
14h - 18h: Assembléia Geral e Assembléia Eleitoral da FIJE
20h: Confraternização de boas-vindas para delegação da FIJE
18 de setembro, quinta-feira
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Endereço: SDC Eixo Monumental, Lote 05, Ala Norte, Térreo, Brasília, DF, CEP: 70070-350
09h - 12h: Abertura do evento com autoridades e parceiros - Café Político Internacional com presidentes das AJEs da Ibero-América
12h - 14h: Almoço de confraternização
14h30 - 16h: Painel sobre Educação Empreendedora
16h - 16h30: Intervalo
16h30 - 18h: Painel sobre Energias Renováveis
18h - 20h: Happy hour e Lounge de relacionamento FIJE
20h - 23h30: Jantar do Bloco Mercosul de Jovens Empresários (somente para convidados)
19 de setembro, sexta-feira
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Endereço: SDC Eixo Monumental, Lote 05, Ala Norte, Térreo, Brasília, DF, CEP: 70070-350
08h30 - 09h30: Reunião Bloco Mercosul de Jovens Empresários (Somente para presidentes de AJEs, Diretoria do Bloco Mercosul e convidados)
10h - 12h: Palestra sobre financiamento de projetos para juventude
12h30 - 14h30: Almoço de confraternização
15h - 16h: Visita técnica ao Estádio Nacional Mané Garrincha (aberta a todos os participantes do evento)
16h - 18h: Palestra sobre a experiência da Copa do Mundo no Brasil e o esporte como ferramenta de desenvolvimento social
18h: Encerramento do evento: Happy hour e Lounge de relacionamento FIJE
19h - 21h: Jogo de futebol da Ibero-América
Mais informações em: http://cije.fije.org/index_pt.php
____________
Errata: O evento será nos dias 18 e 19 e não de 17 a 20 como havia informado. Confudi minha agenda na cidade com a do evento. Mea culpa, mea maxima culpa.
Leia Mais

Manifesto sobre o caso envolvendo o Banco Central e o Economista Alexandre Schwartsman

schwartsman Manifesto sobre o caso envolvendo o Banco Central e o Economista Alexandre Schwartsman*

A recente notícia de uma ação judicial contra o economista Alexandre Schwartsman deixou-nos perplexos. Todos nos acostumamos, durante anos, a ouvir críticas muito piores e inverídicas – como a de que o BACEN seria manipulado pelos bancos – sem qualquer retaliação. O respeito à crítica e ao debate transparente sobre a condução da política monetária, inclusive, tem sido um aspecto fundamental da atuação do BACEN, progressivamente construído desde a estabilização, há mais de duas décadas.

A judicialização como instrumento de repressão à divergência representa um retrocesso inaceitável. Felizmente, a denúncia não foi aceita pela justiça. A intolerância com a divergência e com a crítica ácida e o recurso da máquina pública para suprimir o contraditório, por meio da utilização de uma instituição pública para constranger alguém judicialmente, configuram uma prática incompatível com os valores que uma democracia deve ter e cultivar. Essa atitude prejudica a democracia e as instituições e merece o nosso mais veemente repúdio.

Assinam (inicialmente):
1. Affonso Celso Pastore
2. Afonso Bevilaqua
3. Alexandre Rands
4. Andre Lara Resende
5. André Portela
6. Armínio Fraga Neto
7. Carlos Eduardo Gonçalves
8. Carlos Eugênio da Costa
9. Carlos Melo
10. Carlos Viana de Carvalho
11. Carolina da Costa
12. Claudio Ferraz
13. Claudio Haddad
14. Cristina Terra
15. Eduardo Giannetti
16. Eduardo Zilberman
17. Elena Landau
18. Eliana Cardoso
19. Fabio Giambiagi
20. Guilherme Nobrega
21. Gustavo Franco
22. Gustavo Gonzaga
23. João Cesar Tourinho
24. João Manoel Pinho De Mello
25. José Alexandre Scheinkman
26. José Roberto Afonso
27. José Roberto Mendonça de Barros
28. Luiz Fernando Figueiredo
29. Maria Cristina Pinotti
30. Mansueto Almeida
31. Márcio Gomes Pinto Garcia
32. Marco Bonomo
33. Marcos de Barros Lisboa
34. Naercio Menezes Filho
35. Pedro Cavalcanti Ferreira
36. Roberto Castello Branco
37. Roberto Ellery Jr
38. Roberto Luis Troster
39. Rodrigo Azevedo
40. Ruy Ribeiro
41. Samuel Pessoa
42. Sergio Firpo
43. Sergio Lazzarini
44. Tiago Berriel
45. Tiago Cavalcanti
46. Vinicius Carrasco

_______________

Link para assinar a petição: http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR74543

*Texto escrito pelos autores da petição.

Leia Mais

A obsessão anti-americana de um ideólogo diplomático dos companheiros: algumas ideias fixas de Samuel Pinheiro Guimarães, por Paulo Roberto de Almeida

A vida é cheia de convergências (um jeito bonito de escrever e escapar de admitir que há algumas coincidências nesse mundo) ainda essa semana eu escrevia a um grande colega e amigo próximo sobre a proximidade intelectual que ele manteve com o Samuel Pinheiro Guimarães e que agora faz questão de “não lembrar” é claro que era uma saudável brincadeira entre amigos. Mas, não é que hoje o professor e diplomata Paulo Roberto de Almeida publicou um excelente texto respondendo ao Samuel e tocando de leve nas consquências que o livre pensamento pode trazer a quem segue uma carreira pública. Samuel Pinheiro é celebrado e de certo modo idolatrado e críticas a ele são raras e podem gerar estranheza em alguns. Leiam e reflitam sobre o que vai abaixo, não tenham medo da leitura longa com uma forte e lógica conclusão.

A obsessão anti-americana de um ideólogo diplomático dos companheiros: algumas ideias fixas de Samuel Pinheiro Guimarães

Paulo Roberto de Almeida

Antigamente, muito antigamente, quando ele andava discordando publicamente das posições diplomáticas do ancien régime neoliberal dos tucanos no poder, o Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães costumava me mandar por e-mail (eu no exterior) os artigos que ele dizia pretender publicar, e solicitava comentários. Ingênuo, como muitos acadêmicos abertos ao debate, eu afastava certas tarefas urgentes para comentar imediatamente os textos geralmente polêmicos que ele me enviava; pena perdida: assim que eu terminava de redigir minhas réplicas em total sinceridade, o artigo em questão já tinha sido postado e estava circulando em todos os quadrantes.

Depois que ele foi ascendido a conselheiro principal da nova política externa dos companheiros no poder (ativa, altiva e soberana), ele nunca mais me mandou artigo nenhum, mesmo continuando a publicar intensamente, em meio às suas novas funções de Secretário-Geral da Casa que outrora era conhecida como sendo de Rio Branco (deixou de sê-lo durante todo o reinado dos companheiros, a despeito deles pretenderem retomar a tradição). Ele fez mais do que isso: bloqueou um convite que eu tinha do Diretor do Instituto Rio Branco para assumir a direção do programa de mestrado que estava então sendo montado, com a tarefa de dirigir pesquisas, editar uma revista, etc. Fiquei no deserto do Itamaraty – mais conhecido por Departamento de Escadas e Corredores – durante toda a gestão da dupla Samuel-Amorim (nessa ordem) à frente da diplomacia lulo-petista. Não que isso me incomodasse muito: eu me incomodaria muito mais se tivesse de defender algumas das posições malucas, e anti-diplomáticas, que eles imprimiram àquela instituição, ao arrepio de todas as posições de direito e de bom senso. Ficando no deserto, eu pude ler, escrever e publicar livremente, o que deve ter aumentado ainda mais a antipatia de ambos por minhas posições.

Em todo caso, nunca deixei de comentar os textos de Samuel, mesmo se ele não me mandava mais nada. E é por isso que comento agora sua mais recente entrevista, publicada simultaneamente em dois veículos companheiros: “EUA apostam em Marina”. Os interessados e admiradores do Embaixador Samuel (SPG) podem ler a entrevista completa no site de Carta Maior (http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Samuel-Pinheiro-Guimaraes-EUA-apostam-em-Marina/4/31754) ou no jornal Correio do Brasil (http://correiodobrasil.com.br/destaque-do-dia/com-aecio-fora-do-jogo-eua-se-inclinam-para-marina-afirma-pinheiro-guimaraes/726801/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=b20140907); eu também a postei no meu blog (http://diplomatizzando.blogspot.com/2014/09/eleicoes-2014-desespero-companheiro-ve.html), todos com data de 6/09/2014.

Como sempre faço, vou destacar apenas alguns trechos, algumas frases, ou ideias do Embaixador Samuel (SPG: ) e comentar imediatamente após (PRA: ). Como sempre, também, eu não discuto pessoas, e sim ideias, ou posições políticas, e tenho o hábito de dizer sinceramente o que penso a respeito. Acredito que SPG goze de um imenso prestígio entre milhares de acadêmicos, professores e alunos, e suas ideias são seguidas quase religiosamente por toda essa tribo de universitários convencidos de que aquelas posições são as melhores possíveis, de acordo com os interesses nacionais. Como eu discordo em praticamente tudo do que eles pensam, mas não disponho da mesma audiência ou prestígio, meu combate é de retaguarda, e apenas de caráter idealista, mas creio que vale a pena persistir. Chamo o meu esforço de quilombo de resistência intelectual e acho que, como quilombo, ele permanecerá relativamente isolado e sem maiores consequências imediatas ou futuras. Mas não me importo com isso: basta eu conservar coerência metodológica e honestidade intelectual. Isso me basta.

SPG: “Considero que a candidata Marina Silva encarne a anulação do progresso conquistado nestes 12 anos. Ela e os setores que representa buscam outro modelo de inserção internacional. Um pensamento que se traduz no propósito de enfraquecer o Mercosul com o pretexto de torná-lo aberto ao mundo”

PRA: Não me interessa nada o que pensa ou deixa de pensar a candidata sobre política externa. Permito-me apenas registrar que SPG já sabe que Marina Silva (MS) vai enfraquecer o Mercosul, o que me parece redundante, pois ele já foi enfraquecido tremendamente nos últimos doze anos pelas ações combinadas (mas não entre si) de argentinos e brasileiros, estes sempre apoiando as arbitrariedades e ilegalidades dos primeiros. Também registro que SPG não quer que o Mercosul se abra ao mundo.

SPG: “...há interesses dos Estados Unidos que foram prejudicados durante os governos de Lula e Dilma, e é claro que o candidato de que mais gostavam era o Aécio. (...) Quando o Aécio fica fora do jogo, os Estados Unidos se inclinam para a Marina, por pragmatismo e porque ela representa o oposto ao PT. Além disso, é alguém sem quadros próprios e, segundo dizem, tem bons contatos nos Estados Unidos, e que demonstrou estar aberta para desmontar o Estado, reduzir sua capacidade e autonomia internacional. Interessa aos Estados Unidos que o Mercosul sejam desmontado e que projetos da era tucana sejam retomados, não nos enganemos: nestas eleições, está em jogo a retomada do processo privatizador, parcial ou total, da Petrobras, do Banco do Brasil e do BNDES.”

PRA: Se existe uma obsessão tipicamente samuelística – não que ela lhe seja exclusiva, mas é que ele a mantém de forma “extraordinária”, como gosta de repetir – esta é o antiamericanismo renitente, entranhado, exibido e até orgulhoso, sem que ele explique muito bem as razões dessa oposição de princípio ao grande império. Talvez seja porque SPG, como seu amigo Moniz Bandeira, acredita que os EUA nasceram e cresceram imperialistas desde que eram uma colônia, e isso se desenvolveu, de forma “extraordinária” diria ele, a partir da ascensão industrial daquele país. Para SPG, os EUA sempre têm um golpe baixo pronto para sacar do coldre de intenções maléficas, e tudo o que eles fazem é ditado pelo seu próprio interesse egoísta, e obviamente contra os interesses dos demais povos, contra quem eles se esforçam por dominar, submeter, ou em todo caso impedir o desenvolvimento e a ascensão. SPG não é marxista, muito menos leninista, mas ele também acha que o capitalismo dos países avançados é necessariamente perverso e interessado apenas na dominação de outros povos e nações. Ele acredita piamente nas bobagens construídas por Ha-Joon Chang, um pretenso economista historiador – que nem é bom economista, muito menos historiador – que construiu uma nova versão da teoria da dependência e do cepalianismo prebischiano, com todos os requintes dos antiglobalizadores atuais, inclusive retomando a teoria conspiratória do Consenso de Washington (que as metrópoles do capitalismo avançado aplicariam antes mesmo que ele existisse, depois de se terem desenvolvido aplicando políticas exatamente contrárias ao CW). Esse manancial de bobagens, apenas um pouco mais trabalhadas do que as imensas bobagens de um Eduardo Galeano e suas “Veias Abertas da América Latina” – das quais ele se redimiu recentemente –, constitui toda uma doutrina anti-imperialista e antiamericana que não difere muito das bobagens mais antigas que haviam sido criadas por Rosa Luxemburgo e repetidas por Lênin.

Não existem provas de que os EUA tramem contra o Mercosul e queiram desmantelá-lo, mas a questão para SPG é de fé, não de provas. Quem tem fé, não precisa de provas, e para SPG os EUA sempre serão contra o Mercosul e atuantes para desmontá-lo. Não se sabe de documentos do Departamento de Estado, algum wikileaks que demonstre isso, mas não é preciso provas documentais para demonstrar a perversidade imperial, não é mesmo? Quanto às intenções – dos EUA, de MS? – de privatizar a Petrobras, o Banco do Brasil e o BNDES não se sabe bem de onde veio isso, nem estava na pergunta do repórter.

SPG: “Avalio que [o desmantelamento do Mercosul] possa começar com a eliminação da cláusula que obriga os países do Mercosul a negociar conjuntamente acordos de livre comércio com outros blocos. Este ponto, que até agora não conseguiram derrubar, é uma cláusula que vem desde o Tratado de Assunção (assinado em 1991, na formação do Mercosul).”

PRA: É surpreendente que SPG, um diplomata que negociou os primeiros acordos de integração Brasil-Argentina – baseados em protocolos setoriais, e não no livre comércio automático, como seria o caso do Mercosul – e que assistiu ao nascimento do Mercosul, com o qual ele não estava de acordo, diga-se de passagem – e isso desde a Ata de Buenos Aires, que trocou a metodologia de integração entre o Brasil e a Argentina, abrindo caminho para o Mercosul, menos de um ano depois, não saiba que não existe, no Tratado de Assunção, nenhuma cláusula de negociação conjunta de acordos de livre comércio com terceiros países ou outros blocos. Repito: nenhuma. O que existe, sim, é um compromisso, constante do artigo primeiro de um tratado que foi expressamente mencionado como provisório (o TA), pelo qual os países membros estabeleceriam uma política comercial comum, o que jamais foi cumprido, além da implementação da Tarifa Externa Comum (TEC), que começou a ser furada desde o seu início. O que existiu, logo em seguida, foi uma resolução do Conselho de Ministros, durante a fase de transição, comprometendo os países a negociarem conjuntamente acordos com terceiros, e a não oferecerem a esses maiores vantagens, sem consulta aos outros membros. Esse compromisso, sempre sob a forma de uma resolução do CMM, foi reafirmado, já na fase em que o Mercosul era, supostamente, uma união aduaneira (UA) e possuía, hipoteticamente, personalidade de direito internacional.

Ora, sabemos perfeitamente que a TEC nunca foi respeitada integralmente pelos quatro países, que eles criaram e mantiveram exceções nacionais, e não comuns, à TEC, e que jamais houve coordenação suficiente ente eles para o estabelecimento de uma política comercial comum. O que havia era um consenso negativo, pelo qual os quatro membros recusavam acordos com terceiros (países ou blocos) e se juntavam apenas no mínimo denominador comum (que era absolutamente mínimo, ou seja, irrisório). Na verdade, o Mercosul jamais chegou a completar sequer a sua zona de livre comércio e sua UA nunca funcionou, a começar que nunca teve uma autoridade aduaneira comum e sequer um código aduaneiro funcional e efetivamente aplicado (o que pode parecer bizarro, para uma UA, mas é o que de fato ocorre com o Mercosul). Enfim, o certo é que não existe cláusula desse tipo no TA, e isso SPG parece ignorar.

SPG: “Uma vez eliminada essa cláusula, o caminho estará aberto para a assinatura de acordos do Brasil com a União Europeia, sem a participação dos outros quatro integrantes do Mercosul.”

PRA: SPG parece ignorar que, logo no início do Mercosul, a Argentina insistiu em assinar um acordo com os EUA, e depois Uruguai e Paraguai também bateram na mesma tecla. Foi o Brasil quem se opôs, até “hegemonicamente”, que isso acontecesse, não por uma defesa de sagrados princípios, ou cláusula fundacional, do Mercosul, mas porque simplesmente essa “proibição” inteiramente política garante que o Mercosul continue sendo uma reserva de mercado para suas próprias indústrias, um interesse egoísta portanto. Foi aliás o Brasil quem “forçou a mão” dos outros três membros para a imposição de alíquotas aduaneiras bem mais elevadas do que seria o gosto dos demais, numa série de produtos que eles teriam interesse em importar mais barato, para atender seu mercado interno, consumidores ou industriais. Essa foi uma das razões para que a TEC nunca funcionasse efetivamente, uma vez que o Brasil se desviava da alíquota para cima – consoante seus instintos eternamente protecionistas – e os outros países o faziam para baixo, com tarifa zero ou muito reduzida para os produtos de seu interesse importador. Como as pautas eram diferentes, tendo em vista os níveis diferenciados de intensidade industrial, o Mercosul passou a conviver com essas perfurações da TEC, mantendo ainda assim a ficção de que constituía uma UA.

É certo que, uma vez eliminado o compromisso – que não é cláusula, voltamos a repetir –, o que pode ser feito mediante uma simples decisão do Conselho, todos os países, e não só o Brasil, poderão, teoricamente, negociar acordos de livre comércio com terceiras partes. E a existência da TEC, pergunta-se prontamente? Pois bem: uma vez que existem desvios, basta que o acordo com terceiros seja consagrado como um desvio da TEC, à condição que todo e qualquer favor e vantagem concedido a uma terceira parte seja automaticamente estendido a todos os membros do Mercosul, consoante a cláusula de nação-mais-favorecida (esta sim uma cláusula, não do Mercosul, mas um velho princípio do direito comercial internacional, que os países se obrigaram respeitar pelo Gatt, não por um acordo regional, onde ele também vigora).

SPG: “Mas se a cláusula continuar em pé, seria igualmente perigoso um pacto entre todo o Mercosul e a União Europeia. E essa negociação, que já se iniciou mas avança lentamente, provavelmente será acelerada durante o governo de Marina.”

PRA: Bem, parece que SPG é contra qualquer acordo de livre comércio entre o Mercosul e qualquer parceiro que não seja do seu agrado, e estes são apenas os do Sul (mas provavelmente não a China). Ou seja, o Mercosul deve permanecer puro e intocado, como uma vestal, ou apenas transacionando internamente, não com estranhos. Ele também já sabe, profeta que é, que isso seria acelerado sob um governo MS. Bem, é seu direito achar isso, embora vários expoentes já tenham dito, inclusive a própria presidente de plantão, sem saber que feria uma “cláusula férrea” do Mercosul.

SPG: “...uma [das consequências que um acordo do Mercosul com a UE traria] é a redução considerável das tarifas [de importações] industriais europeias afetando nossas fábricas. Defendo faz tempo que esta aproximação, que agrada os economistas da Marina, é o passo inicial rumo ao fim do Mercosul.”

PRA: Ou seja, SPG é contrário qualquer acordo que reduza tarifas, o que realmente faz sentido em quem defende a inexistência de qualquer acordo com a UE, pois supostamente ele teria essa consequência. SPG acredita que o Mercosul está muito bem ao manter tarifas elevadas, e que a sua redução significaria o fim do Mercosul. Este, na visão de SPG, seria tão frágil a ponto de não poder suportar qualquer acordo externo. Não se venha argumentar com os supostos acordos Sul-Sul, pois estes são ridiculamente inexpressivos, irrelevantes, marginais, consistindo geralmente na redução negociada de algumas poucas tarifas fixas, sem qualquer incidência sobre o comércio real, já que abrindo mercados onde eles são os menos importantes.

SPG: “...a assinatura de um acordo entre os dois blocos significará uma extraordinária vantagem para empresas europeias que poderão exportar para cá sem que cobremos taxas, enquanto não haverá grandes benefícios para os exportadores sul-americanos.”

PRA: Para SPG, os negociadores brasileiros, ou mercosulianos, que não ele, seriam tão incompetentes, e entreguistas, que fariam um acordo que só daria vantagens à outra parte, sem qualquer benefício para os seus próprios países e seu bloco. Para ele não importa que nossas empresas também tenham tarifa zero (se beneficiando ainda de mão-de-obra mais barata, eventualmente energia e outros insumos, que podem contar à altura de 60% do custo de um produto), o que vale mesmo é que as vantagens estejam todas pré-determinadas para um só lado. Trata-se, aqui também, de um artigo de fé.

SPG: “E acrescento que se este acordo acontecer, afetará outra instituição fundamental do Mercosul, que é a Tarifa Externa Comum, fixada para terceiros países. Se isto acontece, a união aduaneira é pulverizada, qualidade central do Mercosul.”

PRA: Supreendentemente, só SPG se lembra da TEC, quando nenhum outro ator relevante sequer a mencione nos seus planos estratégicos ou cálculos de abertura de mercados, uma vez que ela é tão desrespeitada que parece uma colcha de retalhos, e ninguém parece dar muita bola para ela. Em todos esses anos, nunca consegui obter de algum economista dos quatro países membros – ou de algum funcionário da Secretaria do Mercosul – uma informação completa, fiável e credível sobre o quanto do comércio dos membros é feito ao abrigo da TEC, pois as entradas e saídas do mecanismo são tão intensas, recorrentes e arbitrárias que esse cálculo seria muito complicado, talvez impossível, de ser feito. E assim ficamos: ninguém sabe qual a cobertura da TEC para o comércio efetivo do Mercosul, e SPG ainda pretende defendê-la. Na verdade, como disse acima, não é certo que a TEC seja desrespeitada num acordo de livre comércio entre o Mercosul e a UE, e se o for, as mesmas vantagens passam a valer para todos, automaticamente, em virtude da cláusula (essa sim, férrea) de NMF. De resto, nunca haverá um acordo de livre comércio entre a UE e o Mercosul, mas sim um simples acordo de liberalização comercial, o que é muito diferente.

SPG: “E uma vez que chegarmos à hipotética assinatura do pacto de livre comércio com os europeus, os Estados Unidos reaparecerão.”

PRA: É surpreendente, mais uma vez, que SPG não saiba que os europeus só “apareceram” porque havia a ameaça de um acordo de livre comércio entre os EUA e os países da América Latina, que os companheiros, com SPG à frente, se encarregaram de sabotar e de implodir rapidamente, uma vez chegados ao poder. Isso não porque tenham feito cálculos e estimações econômicas sobre os eventuais efeitos nefastos da Alca para os países latino-americanos, e sim por pura prevenção ideológica, por simples anti-imperialismo primário, por antiamericanismo infantil e paranoico. Tanto não foi assim que, uma vez implodida a Alca, vários países da região correram para assinar acordos de livre comércio com os EUA: eles o fizeram porque são todos submissos ao império, porque são vendidos ao imperialismo, porque são entreguistas, ou por interesse próprio e de suas economias? Tanto não foi assim que grande parte do Congresso americano – em grande medida formado por protecionistas caipiras – e a quase a totalidade dos sindicatos de trabalhadores americanos também eram contra a Alca: eles assim o fizeram contra o interesse imperial de explorar outros países? Ou seja, de obter vantagens unilaterais contra nossos próprios interesses? SPG parece pensar que todos são ingênuos e desinformados, e apenas ele é clarividente e sábio.

SPG: “Os meios e os grupos de interesses brasileiros que se sentirem representados pela Marina só falam de um acordo com a União Europeia por oportunismo, pela boa imagem dos europeus, que seriam maravilhosos, educados, que nos abririam as portas do primeiro mundo. Uma retórica para ocultar que o acordo será prejudicial para nós. Quem quiser saber o que nos espera com esse acordo que pergunte aos gregos e aos espanhóis como a velha Europa é tratada.”

PRA: SPG deveria perguntar aos gregos e espanhóis se eles se sentem explorados pelos velhos imperialistas da Europa setentrional, e se eles pretendem realmente sair da UE, já que essa integração seria prejudicial para eles. Mas aqui também é um artigo de fé: SPG já sabe que um acordo seria prejudicial para o Brasil e o Mercosul, e por isso ele o recusa por princípio, antes mesmo de fazer estudos a respeito. Ele prefere que o Mercosul permanece soberanamente isolado do mundo, ou só se relacione cm outros iguais a ele, ou seja, protecionistas e introvertidos.

SPG: “Agora tudo isso nos leva ao começo desta conversa, que são os Estados Unidos. Por quê? Porque uma vez assinado o pacto UE-Mercosul, no outro dia, Washington vai querer igualdade de condições comerciais que europeus conquistaram, exigindo de nós um acordo de livre comércio. Os Estados Unidos nunca se esqueceram do espírito da ALCA (Área de Livre Comércio das Américas).”

PRA: Ah, as velhas obsessões nunca desaparecem: os imperialistas americanos (ou estado-unidenses?) estão sempre sorrateiramente à espreita, prontos para abocanhar mais um pedaço do continente se deixarmos. Ainda bem que SPG está vigilante. Mas, parece que os EUA desistiram de vez dessa ideia de fazer uma Alca: muito complicado, aliás inútil. Como deveria saber SPG, ao império convém melhor a estratégia “divida e domine”. Para que se aborrecer com um esquema multilateral se é muito melhor negociar separadamente com cada parceiro – ou conjuntamente com um bloco de pequenos – e assim impor as condições que melhor lhes apetecem, do que ficar se chateando com protecionistas históricos como Brasil e Argentina

SPG: “Tudo me leva a pensar que o projeto norte-americano de integração hemisférica comercial, de eliminação de barreiras, de sanção de um sistema de leis que privilegiam suas multinacionais etc., continua em vigor. É preciso prestar atenção na Aliança do Pacífico (México, Colômbia, Peru e Chile).”

PRA: Engano de SPG: os EUA já abandonaram essa ideia, que foi um mau passo dado por Bush pai, querendo ser generoso para os pobres latinos, endividados (ao propor a “Iniciativa para as Américas”), mau passo reiterado por Bill Clinton, com sua ideia de uma Alca (mais uma vez querendo ser bonzinho). Os realistas dos EUA já chegaram à conclusão que é muito melhor negociar separadamente, tanto é assim que assinaram diversos acordos bilaterais de livre comércio com vários tipos de países.

Quanto à menção à Aliança do Pacífico, não está muito claro o que SPG quis dizer com essa “atenção”. Seria algo como: “atenção, eles são traiçoeiros, já se aliaram ao império, todos eles, e agora vão querer seduzir o Mercosul também; não caiamos nessa, olha lá hem!” Só pode ser isso. Pois do contrário o que poderiam esses quatro países contra os poderosos dois grandes do Mercosul: obrigá-los a entrar num acordo iníquo e desigual com o império? Mas a Aliança do Pacífico não tem tanto a ver com o comércio regional – aliás nem entre eles, que é pequeno – e sim com uma estratégia de negociação conjunta com a bacia do Pacífico, o grande eixo da integração produtiva, comercial e tecnológica, que se desenha rapidamente naquela vasta região, e que deve superar os fluxos e intercâmbios econômicos norte-atlânticos dentro de mais alguns anos, superando, assim, o cenário geopolítico dos últimos cinco séculos.

SPG: “suas posições [de MS] sobre política externa refletem as aspirações se setores empresariais, de banqueiros e grandes meios de comunicação que demonstraram certa saudade da dependência colonial.”

PRA: Uau! SPG não deixa por menos e não vai por quatro caminhos. Para ele, nossos empresários e banqueiros, tão protecionistas e introvertidos, sentiriam saudades de uma suposta dependência colonial. Mas seria possível? 200 anos depois? Ou seria a dependência dos EUA ainda muito em voga nos anos anteriores à gloriosa era do Nunca Antes? Não se sabe, exatamente, mas é bom ficar prevenido, alerta ele. Se algum outro presidente se instalar, que não seja um companheiro, vai logo sacrificar o Brasil nos braços do império.

SPG: “No segundo mandato, a presidenta [Dilma] deveria ter como objetivo reduzir a vulnerabilidade externa do país, a dependência de capitais especulativos para o pagamento da dívida e tudo isto cria um círculo vicioso que aumenta as taxas de juros. É falso, é um mito que as taxas sobem para combater a inflação.”

PRA: Surpresa: em 12 anos os companheiros, dispondo de um Congresso submisso, de uma oposição castrada e inoperante, e de toda a simpatia de gregos e goianos, vale dizer, de toda a comunidade acadêmica, empresarial e banqueira, não conseguiram diminuir a tal de vulnerabilidade externa, nem a dependência de capitais especulativos, nem a dívida externa, nem os juros, nem a inflação? Incompetentes eles são, não é mesmo? Mas o que eles fizeram exatamente? Durante anos, seus economistas esquizofrênicos, os seus keynesianos de botequim ficaram azucrinando nossos ouvidos, acusando os neoliberais tucanos de terem feito tudo aquilo, e quando chega a vez deles, necas de pitibiribas, não conseguem fazer nada? Aliás, seria preciso dizer ao Banco Central para abaixar os juros, pois isso não serve para combater a inflação. Inflação se combate com produção, com oferta, com investimentos, não é mesmo? O resto é conversa de economista neoliberal, ou monetarista...

SPG: “...em um segundo governo a presidenta Dilma terá que trabalhar para diversificar nosso comércio exterior, para reduzir nossa vulnerabilidade comercial devido ao crescimento das exportações de produtos primários cujos preços não somos nós quem decidimos. Quando digo diversificar penso em base para reforçar exportações industriais porque o Brasil corre o risco de seguir rumo a uma especialização regressiva na produção agropecuária e mineral, acompanhada de uma contração do setor industrial, aliada a uma atrofia de sua capacidade tecnológica.”

PRA: Mas, tudo isso não foi construído justamente sob os três governos lulo-petistas? SPG quer agora que um quarto governo lulo-petista faça exatamente o contrário do que eles fizeram até aqui? Mas que contradição! Eles tiveram doze anos para fazer tudo isso, implementaram cinco ou seis políticas industriais, inventaram uma fabulosa teoria da “nova geografia do comércio internacional” – comércio Sul-Sul, que era Sul-Sul só para o Brasil, não para os outros do Sul – e assistiram passivamente à nova dominação das exportações primárias sobre o conjunto do comércio exterior brasileiro, e agora SPG vem dizer que vão fazer tudo ao contrário! Dá para acreditar?

Será que o tal banco dos Brics, mais o Banco do Sul, proposto por Chávez, vão ajudar nessa reconquista? Mas será que o problema do comércio ou dos investimentos é falta de dinheiro? Não parece! Dinheiro abunda no mundo, e cada vez mais concentrado (se acreditarmos num tal de Piketty), e o que faz falta são projetos consistentes e sólidos para fazer jus aos capitais produtivos.

Não parece que os companheiros sejam capazes de reconhecer o que fizeram de errado, e que levou o Brasil justamente a esses impasses mencionados por SPG. Se eles mesmos não reconhecem o que está errado, como e por que deveríamos dar-lhes novo crédito de confiança para que continuem especulando com as políticas econômicas? Eles merecem isso? Se até SPG aponta o que está errado, por que é que nós, que não temos nada a ver com o que foi feito de errado, deveríamos renovar o contrato? Não é melhor mudar a direção do barco? Com a palavra o sábio, o profeta Samuel...

Paulo Roberto de Almeida

Portland, 7 de setembro de 2014.

Leia Mais

Nossos aliados

Bandeiras BRIC Nossos aliados nos BRICS andam ocupados em agendas, no mínimo, controversas. Sempre repito aqui que qualquer um que estude e trabalhe com Relações Internacionais, cedo ou tarde terá que conviver e apertar as mãos de gente imprópria para o consumo humano, tudo em nome dessa quimera política chamada Interesse Nacional.

Ás vezes a diplomacia brasileira exagera nas deferências a esses parceiros problemáticos, vez ou outra algum presidente chama ditador de irmão, ou abrimos uma residência oficial para a estadia de outro. Mas, isso é esporádico, pontos fora da curva.

O problema é quando parceiros estratégicos de alto relevo agem de maneira controversa e essa aliança acaba impondo um silêncio conivente do Brasil, para um país que tem buscado com muito afinco o status de Ator Global, ou seja, por definição uma voz relevante nos assuntos planetários. E esse projeto tem se calcado na aliança com os outros gigantes emergentes.

A China tem se movimentado para restringir as liberdades individuais em Hong Kong, como bem colocou o professor e diplomata Paulo Roberto de Almeida, com seu natural estilo provocador:

“[A China] começa a restringir os direitos democráticos, que ainda existem, na sua província especial, ex-colônia britânica, que teve a sorte de ter todas as liberdades democráticas da metrópole-mãe, e mais liberdades econômicas do que a própria metrópole, que derivou para o fabianismo e foi para uma gloriosa decadência, antes de ser recuperada por uma estadista clarividente. Agora, o mais velho império do mundo pretende estabelecer a tirania que já existe em sua própria jurisdição”.

A Rússia tem se envolvido em violações da soberania Ucraniana. E a tradição diplomática brasileira sempre foi visceralmente avessa a esse tipo de violação, mas nesse caso tem mantido um silêncio loquaz. E nem vou levar em consideração os que por ideologia ou apreço a conspiração que tacham os ucranianos de nazistas.

Mas, a maior contradição dessa aliança é o caso indiano, que tem uma deliberada política de subsídios agrícolas agressivos que prejudicam os exportadores brasileiros e uma das causas do travamento da Rodada Doha, tudo bem que a causa do Livre Comércio não é popular no Palácio do Planalto, mas deve ser complicado, pra dizer o mínimo, equilibrar as concepções estratégicas que calcam a aliança global com prejuízos pra um dos setores mais importantes da economia brasileira que é o setor agrícola.

A Política Internacional, por vezes exige alianças, que nos amarram a atores que na consecução de suas agendas violam alguns dos valores que dizemos que nos definem. Como bem disse Nelson Rodrigues: “Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos”, mas numa democracia seria interessante que temas como nossas alianças internacionais fossem debatidos de maneira séria e pragmática.

Leia Mais

A Guerra do Paraguai e a historiografia. Uma entrevista de Francisco Doratioto

Victor_Meirelles_-_Passagem_de_Humaitá,_1886Franscisco Doratioto é um dos mais renomados acadêmicos brasileiros, homem sério e afável, tive a sorte de conviver com ele nos tempos em que ele era professor na Universidade Católica de Brasília, mas tive o azar de não ter sido seu aluno (quando ele foi contratado já havia feito as disciplinas que ele lecionaria). A dedicação de Doratioto ao estudo da Guerra do Paraguai é sua preciosa colaboração ao pensamento brasileiro.

A Guerra do Paraguai precisa ser mais conhecida e os enormes volumes de informação já coletados pela historiografia mais difundidos, ainda há muitos que por ideologia e desconhecimento atribuem a guerra ao imperialismo inglês. É um desses casos que contra opiniões não existem fatos.

A história da Guerra do Paraguai é um desses momentos em que uma série de políticas e alianças colocam dois inimigos em conjunção contra um aliado natural, afinal é fácil perceber que tanto Brasil quanto a Argentina teriam muito a ganhar mantendo um Paraguai independente e servindo de buffer. Essa lógica permeou a decisão do Império Brasileiro de manter 2 mil homens no Paraguai, durante seis ano após a guerra.

O conflito foi apropriado e distorcido por ditaduras e militantes de esquerda e narrado numa luz anacrônica de luta anti-imperial, que pouco explica as causas e conseqüências do ultimo grande conflito do Prata. Nesse sentido entrevistas como a que vai abaixo ajudam muito a explicar (ainda que mui resumidamente o conflito) e a gerar a curiosidade acadêmica, aquele inconformismo com alguma lacuna na bibliografia que nos leva a pesquisar e escrever. Fascinante seria saber como o impacto da guerra e os traumas pessoais do combate influenciaram os ex-combatentes negros (livres e libertos) na luta abolicionista, por exemplo.

Pensando nos custos humanos do conflito é impossível não concordar com a frase do Barão do Cotegipe: “Maldita guerra” e não só pelos proverbiais 50 anos de atraso, mas pelas vidas que ceifou.

Aproveitem e conheçam e siga o Café História de onde retiro essa entrevista.

Nova História da Guerra do Paraguai

Entrevistamos o historiador Francisco Doratioto, professor da Universidade de Brasília. Doratioto é um dos principais expoentes da chamada “Nova História da Guerra do Paraguai”. Em 2014, o conflito sul-americano completa 150 anos de seu início.

Com um trabalho baseado em farta documentação, Francisco Doratioto, professor da Universidade Nacional de Brasília e do Instituto Rio Branco, se tornou um dos principais especialistas em História da Guerra do Paraguai. Mais do que batalhas e personagens, suas pesquisa trazem o lado humano, social e político do conflito. Em 2002, Doratioto lançou pela Companhia das Letras o livro “Maldita Guerra”, que rapidamente se tornou um livro de referência na área, especialmente daquilo que convencionou chamar de “nova história da Guerra do Paraguai”. Se você ainda acha que o Brasil foi forçado a fazer a guerra pelo imperialismo britânico ou que o Paraguai era uma ilha de prosperidade que ameaçava ingleses na América do Sul, você vai se surpreender.

Bruno Leal: Professor, em abril de 1863, no Uruguai, o Partido Colorado, apoiado pelo Brasil Imperial e pela Argentina de Bartolomeu Mitre, se rebelou contra o Partido Blanco, eleito em 1860. Acuados, os blancos, então, foram atrás do apoio de Solano López, presidente do Paraguai. Um ano depois começava a Guerra do Paraguai, conflito que durou seis anos e que neste ano de 2014 completa 150 anos de seu início. Por que o Paraguai (Solano López) apoiou os blancos contra oponentes tão poderosos? Até que ponto esta decisão se deu pela oportunidade do Paraguai conquistar acesso ao mar e/ou pelo medo de um provável desmantelamento das nações menores do Cone Sul, oriundo de uma aliança entre Brasil e Argentina?

Francisco Doratioto: Não se tem certeza sobre a motivação do Francisco Solano López em envolver-se na questão uruguaia; não temos documento escrito ou testemunho que permita dar uma resposta taxativa. No entanto, há uma concordância de que interessava a López a manutenção dos blancos no poder em Montevidéu, de modo a utilizar este porto para o comércio externo paraguaio, de modo a dar continuidade à inserção do Paraguai no comércio internacional iniciada no governo de Carlos Antonio López. Os blancos procuraram, é verdade, convencer López de que a Argentina e o Brasil pretendiam pôr fim à independência do Uruguai, dividindo entre si o território uruguaio e, depois, se voltariam contra o Paraguai. Teria ele acreditado nisso? Possivelmente não, mas com certeza se deu conta que a derrota dos blancos uruguaios fragilizaria o Paraguai frente à Argentina e ao Império, que passariam a atuar coordenadamente no Prata em lugar de rivalizarem-se e isso quando ambos tinham litígio de fronteiras com o país guarani

Bruno Leal: Nas décadas de 1960 e 1970, uma certa leitura historiográfica obteve bastante êxito ao explicar a Guerra do Paraguai como fruto imperialismo inglês na região do Cone Sul, como se o Brasil tivesse sido arrastado para a guerra por uma Inglaterra temerosa com o crescimento econômico do Paraguai na região. O senhor é bastante crítico desta teoria, não? Qual foi exatamente o papel da Inglaterra no conflito e porque essa teoria teve e ainda tem tanto sucesso?

Francisco Doratioto: Não sou eu que sou crítico a essa explicação mas, sim, os fatos. Não existe lógica e nem um fiapo de prova nesse sentido. Ademais, não sou o único que afirma isso; outros colegas no Brasil e em outros países também criticam essa explicação. Quanto à Inglaterra, há que se distinguir o seu governo de seus banqueiros. O governo inglês manteve-se neutro no conflito – aliás, foi ele que tornou público o Tratado da Tríplice Aliança, que era secreto -, enquanto seus diplomatas no Rio da Prata eram antipáticos à Solano López, pelas características da ditadura que ele impunha ao Paraguai. Já os banqueiros ingleses fizeram o que todo banqueiro faz: tentaram ganhar dinheiro com a guerra. Assim, emprestaram dinheiro para aqueles governos que tivessem condições de pagar os empréstimos, ou seja, para o Império e para a Argentina, mas não para o Paraguai. Registre-se, porém, que apenas uns 12% dos gastos brasileiros com a guerra foram financiados por esses empréstimos, enquanto o restante foi obtido internamente por meio de impostos, empréstimos, desvio de recursos do orçamento público, etc.

Bruno Leal: Professor, é bastante conhecida a participação de negros, ex-escravos ou não, na Guerra do Paraguai. Na historiografia sobre o tema, no entanto, parece não haver um consenso quanto ao número de soldados negros na frente de batalha. Como o senhor avalia a participação desse contingente na Guerra do Paraguai? A vitória do exército brasileiro na guerra impactou na forma como o negro ou mesmo a escravidão era vista pelas elites do país?

Francisco Doratioto: A falta de consenso não é somente quanto ao número de soldados negros na guerra, mas quanto ao número de brasileiros que foram para a guerra. Se fala de 100.000 até 150.000; também não sabemos ao certo qual foi o número de mortos brasileiros, com os estudiosos citando algo entre 50.000 e 100.000, uma enormidade se considerarmos que o Império tinha 9.000.000 de habitantes (cerca de um terço da população escrava). O Conde d’Eu elogiou o valor da participação dos “zuavos” na guerra, enquanto Caxias e outros chefes militares, em suas correspondências privadas, criticaram os negros. Suspeito que negros e brancos não se diferenciaram muito: a guerra foi duríssima, as condições do teatro de operações eram terríveis e, a partir do final de 1866, o desalento era geral, independente da cor da pele do soldado brasileiro.

Bruno Leal: Quando o assunto é Paraguai, fala-se muito na destruição do país após os anos de conflito, desde a destruição completa de cidades até a morte de boa parte de sua população, passando por operações que hoje, talvez, poderia ser classificadas como “crimes de guerra”. O que há de exagero e o que há de real nessas imagens de terra arrasada?

Francisco Doratioto: Seria um anacronismo falar em “crimes de guerra”. Esse é um conceito desenvolvido no século XX; no século XIX era comum o saque, os abusos contra mulheres e civis em geral, a morte do prisioneiro ou seu uso em trabalho forçado. Os paraguaios saquearam Corumbá e Uruguaiana, perpetraram violências contra os civis e, ainda, contra prisioneiros. As forças brasileiras saquearam Assunção e também fizeram violências prisioneiros e civis. Após 6 anos de guerra o Paraguai ficou, de fato, arrasado. Há polêmica sobre qual seria o número de habitantes do país no pré-guerra, mas há concordância percentual, ou seja, de que o país perdeu mais de metade da população e mais de 2/3 dos homens. No entanto, tal qual ocorreu entre as forças Aliadas, a maior parte da mortandade paraguaia foi causada por doenças ou fome, esta decorrente da migração imposta por López que obrigava a população a ir para o interior do país, na medida em que as forças aliadas avançadas. Era uma política de terra arrasada, ou seja, de esvaziar o território paraguaio de recursos humanos e alimentícios para que os soldados aliados que avançavam não os utilizassem no esforço de guerra.

Bruno Leal: Embora a guerra tenha terminado em 1870, O Brasil manteve um efetivo de aproximadamente 2 mil soldados no país por seis anos. Esse é um dado que nem todos conhecem. Professor, o senhor pode falar mais um pouco dessa ocupação? Quer dizer, porque um período tão longo? O Paraguai perdeu sua autonomia política neste período? Qual era a missão das forças brasileiras em solo paraguaio no pós-guerra?

Francisco Doratioto: Entre 1870 e 1876, o Paraguai foi praticamente um protetorado brasileiro. O governo imperial agiu para evitar que se instalasse no país um governo que fosse composto por homens favoráveis ao fim de sua independência, mediante a incorporação à Argentina. Os governantes brasileiros estavam convencidos de que esse era o plano do governo argentino e nesse período agiu para conter a influência argentina no Paraguai. Além de uma eficiente ação diplomática nesse sentido, o Império se respaldava em uma Divisão de Ocupação, aquartelada a poucos quilômetros de Assunção. Para o governo imperial essa tropa, um instrumento de manter a ordem política em Assunção, favorável ao Brasil, e, ainda, para impedir uma eventual ação sustentada pela Argentina no sentido de impor pela força um governo paraguaio com homens que fossem favoráveis a ela.

Bruno Leal: Geralmente, conflitos contra países estrangeiros produzem sentimentos nacionalistas, criam comunidades imaginadas, enfim, geram sentimentos de unidade. A Guerra do Paraguai gerou esse tipo de sentimento no Brasil?

Francisco Doratioto: Não vejo que isso tenha ocorrido de forma significativa, inclusive porque a guerra tornou-se impopular e, a partir de 1868, todos eram favoráveis a uma solução negociada, inclusive Caxias. No entanto, Pedro II exigiu que a guerra terminasse somente quando fosse cumprido o que estabelecia o Tratado da Tríplice Aliança, ou seja, a saída de Solano López do poder.

Bruno Leal: Professor, quais eram as principais leituras historiográficas sobre a Guerra do Paraguai quando o senhor começou a pesquisar o tema? Em que medida os seus trabalhos divergem destas leituras?

Francisco Doratioto: Na realidade, minha única leitura era a que eu tinha feito no curso de graduação em História, no final dos anos 1970: a guerra tinha sido causada pelo imperialismo britânico e Brasil e Argentina tinham sido marionetes dos interesses ingleses. Eu dei aula no 2º. Grau, em São Paulo, apresentando essa explicação! Posteriormente, fui fazer meu Mestrado na Universidade de Brasília e o tema que propus inicialmente era sobre as relações entre o Brasil e o Paraguai no pós-guerra pois, pensava eu então, o que ocorrera na guerra já se sabia. No entanto, ao ir às fontes primárias (documentação diplomática brasileira e argentina) percebi que eu tinha de entender qual tinha sido o relacionamento entre Brasil e Argentina durante a guerra, para poder compreender a origem e a lógica da disputa entre os dois países pela influência sobre o Paraguai no pós-guerra. Fui, então, ler a documentação sobre a guerra e seu contexto e ela desmentia o que revisionismo brasileiro afirmava, quer quanto ao suposto imperialismo inglês, quer quanto à leitura maniqueísta de que Francisco Solano López tinha sido um governante progressista, quase socialista, vítima de seus dois poderosos vizinhos. Esse revisionismo, em sua versão mais maniqueísta, apresenta a guerra quase como uma disputa entre um “mocinho”, López, e bandidos, a Argentina e o Brasil.

Bruno Leal: Em geral, conhecemos o que a produção historiográfica brasileira produz sobre a Guerra do Paraguai. Como o tema é tratado, de uma forma geral, atualmente, pela historiografia de países como Argentina, Uruguai e Paraguai? Há grandes diferenças de abordagem em comparação com o Brasil?

Francisco Doratioto: No Brasil, no meio acadêmico, há consenso entre historiadores que se dedicam ao estudo da guerra de que suas origens se encontram no próprio processo histórico regional e não no imperialismo inglês. Na Argentina, no Uruguai e no Paraguai essa interpretação também está presente entre os maiores estudiosos do conflito, mas há personagens influentes, nem sempre historiadores, que persistem na explicação imperialista. Para tanto há, inclusive, motivos políticos, como é o caso do governo argentino que estimula a interpretação revisionista por ser antiliberal quando o peronismo também o é. O mesmo ocorre no Paraguai, onde a mistificação da figura de López, de sua ditadura e de seu papel na guerra, tornou-se ideologia oficial da ditadura de Alfredo Stroessner. Um ditador buscou legitimidade em outro... A redemocratização paraguaia alterou um pouco essa situação, mas, afinal, Solano López foi construído como herói nacional nos governos de três militares: Rafael Franco, em 1936; Higino Morínigo (1941-1948) e Alfredo Stroessner (1954-1989).

Bruno Leal: Professor, sabemos que há uma defasagem significativa entre aquilo que é produzido em âmbito acadêmico e aquilo que está nas salas de aula. Que leituras tradicionalistas ou já questionadas por pesquisas acadêmicas sobre a Guerra do Paraguai ainda sobrevivem no ensino de história?

Francisco Doratioto: Não tenho acompanhado diretamente essa questão; sei dela por meio de meus ex-estudantes, que hoje são professores, e alunos que fazem estágio nas escolas de primeiro e segundo grau. Noto que há, crescentemente, o abandono da explicação imperialista e um ou outro livro didático que ainda a sustenta. Na realidade, há uma grande defasagem cronológica do que é produzido pela historiografia acadêmica ser incorporado no ensino fundamental e secundário. Em parte isso se explica pela dificuldade que o professor desses níveis de ensino tem para atualizar-se. Esse professor é um verdadeiro herói, pois para sobreviver tem de dar uma enormidade quantidade de aulas semanais, não lhe restando tempo para fazer cursos de atualização ou recursos financeiros para comprar livros com os avanços historiográficos. Vejo, porém, que as novas gerações de professores já tiveram acesso, nas Universidades, a esses avanços e, mais, estes já estão incorporados no conteúdo dos vestibulares em todo o país.

Bruno Leal: Ano passado, o Museu Imperial, em Petrópolis, região serrada do Rio de Janeiro, fez um levantamento de mais de 3 mil documentos sobre a Guerra do Paraguai, muitos dos quais desconhecidos por boa parte dos historiadores. Entre o material, por exemplo, estão várias cartas de Solano López e um diário do Conde d’Eu. Professor, em que medida essa documentação pode acrescentar ou até mesmo mudar nossos conhecimentos sobre a história do conflito?

Francisco Doratioto: Toda documentação inédita e, mesmo, a releitura daquela já pesquisada pode trazer novas informações e, portanto, ampliar nosso conhecimento sobre a história da Guerra do Paraguai. Há vários aspectos dela a serem melhor estudados: estatísticos; financeiros; tecnologia do armamento empregado; processos decisórios; o papel dos negros, dos índios; questões de gênero, etc. Acredito que a nova geração de historiadores que hoje está fazendo Mestrado ou Doutorado produzirão trabalhos que avançarão no conhecimento sobre a guerra. Veja bem que utilizo a palavra “avançarão”, ou seja, não retornaremos à explicação imperialista e, menos ainda, à explicação “patriótica” que havia predominado antes. No entanto, por questão de justiça, quero ressaltar que mesmo no início do século XX, tivemos trabalhos muito cuidadosos sobre o tema como, por exemplo, o admirável “História da Guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai”, do general Tasso Fragoso, ou as memórias do barão de Jaceguai.

Bruno Leal: E sobre a polêmica envolvendo a desclassificação de documentos sigilosos no Brasil sobre a Guerra do Paraguai? O senhor acha que medidas como essas são diplomaticamente delicadas ou deve-se mesmo tornar acessível todo tipo de material sobre a questão?

Francisco Doratioto: Essa é uma “lenda urbana”. Não existe um arquivo secreto “Guerra do Paraguai” no Arquivo Histórico do Itamaraty, mas isso é afirmado e reafirmado por aqueles que não são estudiosos do assunto. De todo modo, como historiador e cidadão sou favorável ao acesso a todos os documentos públicos, exceto aqueles que tratam de assuntos do presente que podem ocasionar graves danos à sociedade brasileira. É normal que seja sigilosa por algum tempo a documentação diplomática e aquelas referentes a negociações econômicas internacionais e à segurança do país. Nossa Lei de Acesso à Informação não encontra equivalente nos países vizinhos.

Bruno Leal: Professor, chegamos ao fim de nossa conversa. Para finalizar, voltemos a um dos motivos que nos motivou a procura-lo para a conversa: os 150 anos da Guerra do Paraguai. Que eventos importantes a respeito ocorreram ou ainda vão ocorrer este ano, tanto no âmbito acadêmico quanto fora dele? Como o senhor avalia esse momento de lembrança? A historiografia ainda pode revelar muito mais coisas sobre a guerra?

Francisco Doratioto: Há vários seminários sendo feitos no Brasil e a TV Escola, do MEC, apresentou um excelente documentário, em três episódios, sobre a guerra, com pesquisas realizadas em todos os países envolvidos na guerra. Sei que também está sendo produzido um documentário sobre o tema para o History Channel. Este momento e os próximos anos, até 2020, quando então teremos os 150 anos do fim da guerra, devem ser motivo de reflexão e de encontro dos países que participaram da guerra. Penso no que ocorreu na Europa, onde Alemanha e França preocuparam-se em entender a I e da II Guerra Mundial a partir da metodologia histórica e não de um nacionalismo pernicioso, mostrando o sofrimento de suas populações e seus soldados e as consequências dessas guerras. Essa postura favoreceu a integração europeia, a construção de um espaço de paz em um continente que, até então, vivenciara guerras seguidas desde a criação do Estado Nação. Também para nós, na América Meridional, a Guerra do Paraguai deve ser motivo de reflexão que permita-nos superar preconceitos e avançar no processo de conhecimento mútuo e de integração regional.


Francisco Doratioto: Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1979), graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1982), mestrado em História pela Universidade de Brasília (1988) e doutorado em História pela Universidade de Brasília (1997). É Professor Adjunto, de História da América, no Departamento de História da Universidade de Brasília; atua no programa de Pós-Graduação em História da mesma instituição e leciona História das Relações Internacionais do Brasil e História da América do Sul no curso de formação de diplomatas do Instituto Rio Branco (Ministério das Relações Exteriores). Trabalha com História do Rio da Prata; História das Relações Internacionais do Brasil, com ênfase nas relações com os países da América Meridional, e com História Militar do Brasil. É membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; da Academia Paraguaya de la Historia, Paraguai, e da Academia Nacional de la Historia, Argentina, e do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil.

Leia Mais

Teatralidade (e sofisticação) do terrorismo por Robert Kaplan

ISISconvoy O renomado “falcão” Robert Kaplan faz uma análise (no texto transcrito abaixo) da teatralidade da execução de James Foley e seus simbolismos, alguns óbvios como a roupa laranja igual a dos detentos em prisões americanas e outra de uma deturpação sinistra de usar as redes sociais do Vale do Silício contra tudo que seus criadores valorizam. Terça-feira eu escrevi que a maldade do Estado Islâmico serve a objetivos racionais, aliás, é bom que se perceba que ser capaz de observar que certos grupos têm objetivos racionais não significa defender, concordar ou achar que essa racionalidade tem sanidade. E Kaplan captura isso com uma acachapante argumentação que completa minha análise já citada além de objetivos racionais a maldade também é sofisticada.

Leiam abaixo o texto, em seu original na língua inglesa.

Terrorism as Theater

By Robert D. Kaplan

The beheading of American journalist James Foley by the Islamic State in Syria and Iraq was much more than an altogether gruesome and tragic affair: rather, it was a very sophisticated and professional film production deliberately punctuated with powerful symbols. Foley was dressed in an orange jumpsuit reminiscent of the Muslim prisoners held by the United States at Guantanamo Bay. He made his confession forcefully, as if well rehearsed. His executioner, masked and clad in black, made an equally long statement in a calm, British accent, again, as if rehearsed. It was as if the killing was secondary to the message being sent.

The killing, in other words, became merely the requirement to send the message. As experts have told me, there are more painful ways to dispatch someone if you really hate the victim and want him to suffer. You can burn him alive. You can torture him. But beheading, on the other hand, causes the victim to lose consciousness within seconds once a major artery is cut in the neck, experts say. Beheading, though, is the best method for the sake of a visually dramatic video, because you can show the severed head atop the chest at the conclusion. Using a short knife, as in this case, rather than a sword, also makes the event both more chilling and intimate. Truly, I do not mean to be cruel, indifferent, or vulgar. I am only saying that without the possibility of videotaping the event, there would be no motive in the first place to execute someone in such a manner.

In producing a docu-drama in its own twisted way, the Islamic State was sending the following messages:

  • We don't play by your rules. There are no limits to what we are willing to do.
  • America's mistreatment of Muslim prisoners at Guantanamo Bay comes with a "price tag," to quote a recently adopted phrase for retribution killings. After all, we are a state. We have our own enemy combatants as you can see from the video, and our own way of dealing with them.
  • Just because we observe no limits does not mean we lack sophistication. We can be just as sophisticated as you in the West. Just listen to the British accent of our executioner. And we can produce a very short film up to Hollywood standards.
  • We're not like the drug lords in Mexico who regularly behead people and subsequently post the videos on the Internet. The drug lords deliver only a communal message, designed to intimidate only those people within their area of control. That is why the world at large pays little attention to them; in fact, the world is barely aware of them. By contrast, we of the Islamic State are delivering a global, meta-message. And the message is this: We want to destroy all of you in America, all of you in the West, and everyone in the Muslim world who does not accept our version of Islam.
  • We will triumph because we observe absolutely no constraints. It is because only we have access to the truth that anything we do is sanctified by God.

Welcome to the mass media age. You thought mass media was just insipid network anchormen and rude prime-time hosts interrupting talking heads on cable. It is that, of course. But just as World War I was different from the Franco-Prussian War, because in between came the culmination of the Industrial Age and thus the possibility of killing on an industrial scale, the wars of the 21st century will be different from those of the 20th because of the culmination of the first stage of the Information Age, with all of its visual ramifications.

Passion, deep belief, political protests and so forth have little meaning nowadays if they cannot be broadcast. Likewise, torture and gruesome death must be communicated to large numbers of people if they are to be effective. Technology, which the geeky billionaires of Silicon Valley and the Pacific Northwest claim has liberated us with new forms of self-expression, has also brought us back to the worst sorts of barbarism. Communications technology is value neutral, it has no intrinsic moral worth, even as it can at times encourage the most hideous forms of exhibitionism: to wit, the Foley execution.

We are back to a medieval world of theater, in which the audience is global. Theater, when the actors are well-trained, can be among the most powerful and revelatory art forms. And nothing works in theater as much as symbols which the playwright manipulates. A short knife, a Guantanamo jumpsuit, a black-clad executioner with a British accent in the heart of the Middle East, are, taken together, symbols of power, sophistication, and retribution. We mean business. Are you in America capable of taking us on?

It has been said that the murder of Czar Nicholas II and his family in 1918 in Ekaterinburg by Lenin's new government was a seminal crime: because if the Bolsheviks were willing to execute not only the Czar but his wife and children, too, they were also capable of murdering en masse. Indeed, that crime presaged the horrors to come of Bolshevik rule. The same might be said of the 1958 murder of Iraqi King Faisal II and his family and servants by military coup plotters, and the subsequent mutilation of the body of Iraqi Prime Minister Nuri Said by a Baghdad mob -- events that presaged decades of increasingly totalitarian rule, culminating in Saddam Hussein. The theatrical murder of James Foley may appear as singular to some; more likely, it presages something truly terrible unfolding in the postmodern Middle East.

To be sure, the worse the chaos, the more extreme the ideology that emerges from it. Something has already emerged from the chaos of Syria and Iraq, even as Libya and Yemen -- also in chaos -- may be awaiting their own versions of the Islamic State. And remember, above all, what the video communicated was the fact that these people are literally capable of anything.

"Terrorism as Theater is republished with permission of Stratfor."
Leia Mais

Contas Públicas e Relações Internacionais

contas publicas As manobras contábeis usadas pelo governo para melhorar os números das contas públicas – que podem até mesmo serem ilegais – são um assunto bem técnico e de difícil compreensão para a maior parte dos eleitores. Por isso mesmo não aparece como deveria nas campanhas eleitorais, mas as reiteradas manobras contábeis do governo e um crescente e altivo desafio ideológico ao “mercado” que enche os olhos e ouvidos dos militantes de emoção, prejudicam o bom andamento das contas públicas, que é Interesse Nacional.

Nesse sentido transcrevo o que publicou Mansueto Almeida (aqui), volto logo em seguida:

O governo deveria estar MUITO preocupado em mandar sinais positivos para o mercado. Ao invés disso, o que se vê todos os santos dias é muita gente declarando em off, na Caixa Econômica Federal (CEF) e no Ministério da Fazenda, o absurdo dos atrasos sucessivos dos repasses do Tesouro Nacional para a CEF pagar benefícios sociais.

Essa confusão já foi esclarecida e vai diminuir? Não. O Tesouro ainda não explicou porque continua a utilizar o seu “cheque especial” na CEF.  As notas de esclarecimento do Tesouro Nacional partem do pressuposto que as pessoas e os jornalistas não entendem nada de contas públicas e, essas notas, não esclarecem coisa alguma. É um exercício fútil de escrever e não explicar coisa alguma. Prefiro as notas em off do Ministério da Fazenda.

Nesta quarta-feira, o jornalista Ribamar Oliveira do jornal Valor Econômico, que dispensa apresentação, fez nova matéria sobre o tema (clique aqui), mostrando os atrasos nos repasses do Tesouro para a CEF pagar o seguro desemprego. E, nesta quinta-feria, o Estado de São Paulo e o Folha de São Paulo voltam a cobrir esse assunto.

Depois vai diminuir? Não. Hoje soube que o próprio Banco Central anda irritadíssimo com este assunto e outros órgãos públicos que fiscalizam as contas do governo também. Que há truque contábil nessa história todo mundo sabe. O que não se sabe é se essas operações, atraso de repasses do Tesouro para a CEF, poderiam ser caracterizadas como empréstimo de um banco público para o seu controlador. Se este for o caso, o debate passa a ser sobre a legalidade ou não dessas operações.

E como se esta confusão toda não fosse suficiente, li hoje no blog do jornalista Vicente Nunes do Correio Braziliense (clique aqui), que há gente do governo querendo, na eventualidade de um novo mandato da nossa presidenta, partir para a briga com o mercado financeiro:

A vingança será cruel: Não é de hoje que o Palácio do Planalto está irritadíssimo com o mercado financeiro. Mas acredita que fará muitos analistas engolirem a vitória da presidente Dilma em outubro. Para assessores da candidata petista, nada será mais gratificante do que submeter, por mais quatro anos, bancos e corretoras que têm jogado contra o governo à política econômica dilmista.”

Se na hipótese, ainda remota, de um segundo governo da nossa presidenta a sua equipe partir para uma briga direta com o mercado financeiro, o custo dessa briga será uma elevadíssima taxa de juros e, possivelmente, o nosso rebaixamento pelas agências de classificação de risco.

O governo não esta nem ai? Tolice. Apesar de falar grosso contra o “dinheiro especulativo” o governo, em junho do ano passado, reduziu de 6% para “zero” o IOF sobre aplicação de estrangeiros em renda fixa. Esses investidores (ou especuladores na linguagem do governo) conseguem aqui uma taxa de juros que não conseguem em nenhum outro lugar do mundo. O governo não só estimulou a entrada de capital especulativo, mas reza todos os dias para que o capital especulativo continue jorrando no nosso Balanço de Pagamentos. O mais engraçado é que tem gente no governo que acha que isso é sinal de confiança.

O governo deve evitar uma briga direta como o mercado no estilo “vocês vão ter que me engolir”. A melhor forma de o governo ganhar a queda de braço com o mercado é melhorar sua comunicação e transparência de suas ações, algo que fez muito bem até 2006. Partir para briga com o mercado é uma estratégia suicida em um país de poupança baixa que precisará de poupança externa para crescer. A vingança será cruel? Vingança de quem cara pálida?

Voltei. E o que as contas públicas têm a ver com as relações internacionais do Brasil? Tudo, a começar pela credibilidade – perguntem aos argentinos – e também por que deixa nossos negociadores com mais recursos e tempo para dedicar a outros temas da agenda nacional. Ninguém quer retornar aos tempos de difíceis rodadas de negociação com Clube de Paris, FMI, US Department of the Treasury.

Como bem colocou Alexandre Vidal Porto na Folha de São Paulo dias atrás: “As instituições do Estado são como casa alugada. Tem de preservar para o ocupante seguinte. Pode até mudar a cor das paredes, mas derrubar pilastra e cimentar gramado nenhum inquilino deve fazer.” O que significa que a manutenção das boas práticas de contabilidade e transparência nas contas públicas deveriam ser mantidas a todo custo posto que são um patrimônio do cidadão brasileiro.

E não importa quem vença as eleições ele ou ela terão que lidar com a REALIDADE econômica e espero que sem os ventos da eleição possa o vencedor ser seduzido pelo pragmatismo de quem deve zelar pelo bem comum.

Leia Mais

Maldade com objetivos racionais

execuçãodeFoley O surgimento do Estado Islâmico (EI) e seu ambicioso plano de recriar o Califado como forma de governo pan-islâmico e seu contigente considerável de soldados nascidos em países ocidentais ilustram a dificuldade do combate ao extremismo.

O extremismo é difícil de lidar, é difícil de punir, principalmente pelas sociedades mais democráticas e abertas que tendem a favorecer a pluralidade de ideais e o livro exercício das diversas consciências religiosas. Numa comparação com redes de informática às sociedades abertas e democráticas possuem falhas exploráveis em sua arquitetura de segurança e arquivos maliciosos (discursos de ódio e extremistas) conseguem explorar essas falhas.

A imigração é fenômeno natural da espécie humana, que sempre busca por melhores condições para sua vida e para o sucesso de sua decendência, mas o ser humano também forma laços culturais fortes que de certa maneira são cerne de sua própria identidade e por vezes a relocação em novos países é acompanhada por um desejo de manter a cultura anterior. Esse fenômeno natural acaba sendo caldo de cultura bem explorado pelos radicais. Não é difícil de ver jovens que buscam laços fortes sendo cooptados para causas que julgam justas, ou você tem dúvida que o cruel algoz do jornalista americano James Foley, tem a firme convicção que seu ato contribui para uma vida melhor e mais justa para os seus?

As táticas do EI são particularmente violentas e cruéis, com crucificações de cristãos, decapitações, execuções sumárias de prisioneiros de guerra, dilapidação de mulheres, espancamento de mulheres por não aderirem aos seus códigos de vestimenta.

É fácil diante das imagens e da selvageria dessas táticas ser distraído pela pura maldade desses atos, mas há racionalidade, táticas, linhas de suprimento sofisticadas e financiamento que sustentam esse grupo que luta uma guerra de múltiplas fontes e com resistências dentro dos territórios conquistados.

A maldade do EI é calculada e serve a objetivos racionais concretos, eles lutam um modelo clássico de guerra para criação de um estado, isso difere o grupo de outros terroristas. O Estado Islâmico é muito parecido com o Talebã.

O Afeganistão nos ensinou algo. A queda do estado Talebã foi rápida e relativamente fácil, mas a derrota da ideologia e do grupo Talebã exige um trabalho de inteligência e de conquista de corações e mentes ao mesmo tempo em que se constrói um novo estado que não pode ser visto como peão de potências estrangeiras. Empreendimento hercúleo que tem produzido pouco sucesso.

O mundo precisa responder a ascensão do Estado Islâmico e seu radicalismo, muito bem conectado com redes sociais e referencias pop no seu “mix” de ferramentas de sedução de apoio. A prova da eficiência dessa comunicação em sociedades abertas e democráticas aproveitando questões e animosidades locais aos jovens imigrantes é que segundo o site Vox a mais pessoas com visão positiva do EI na França do que em Gaza. Mas, como o mundo irá reagir?

Uma estratégia parece estar emergindo que é capacitar os inimigos locais do Estado Islâmico, as vitimas de seus crimes, a lutarem para reconquistar suas regiões, como é o caso dos Curdos, mas se essa percepção minha for real será preciso ajudar Assad em sua luta pela manutenção do poder na Síria. E se assim for, será preciso cooperação Rússia-EUA.

Mas, não podemos esquecer que a forma de organização política no Oriente Médio é cravada na família como ente fundamental da sociedade, famílias que se juntam em clãs, que formam tribos e é preciso entender como esse panorama humano é afetado pelo Estado Islâmico, como ele afeta equilíbrios regionais, o que pensam os seus inimigos, quem são seus apoiadores, por isso é necessário enxergar a lógica da maldade e principalmente o estado das relações e lealdades políticas.

Como bem coloca o STRATFOR tratando da desintegração do Estado-Nação na região:

“The idea that Shia, Sunnis and Kurds can live together is not a fantasy. The fantasy is that the United States has the power or interest to re-create a Franco-British invention crafted out of the debris of the Ottoman Empire. Moreover, even if it had an interest, it is doubtful that the United States has the power to pacify Iraq and Syria. It could not impose calm in Lebanon. The triumph of the Islamic State would represent a serious problem for the United States, but no more than it would for the Shia, Kurds and other Sunnis. As in Lebanon, the multiplicity of factions creates a countervailing force that cripples those who reach too far.

There are two issues here. The first is how far the disintegration of nation-states will go in the Arab world. It seems to be underway in Libya, but it has not yet taken root elsewhere. It may be a political formation in the Sykes-Picot areas. Watching the Saudi peninsula will be most interesting. But the second issue is what regional powers will do about this process. Turkey, Iran, Israel and the Saudis cannot be comfortable with either this degree of fragmentation or the spread of more exotic groups. The rise of a Kurdish clan in Iraq would send tremors to the Turks and Iranians.

The historical precedent, of course, would be the rise of a new Ottoman attitude in Turkey that would inspire the Turks to move south and impose an acceptable order on the region. It is hard to see how Turkey would have the power to do this, plus if it created unity among the Arabs it would likely be because the memories of Turkish occupation still sting the Arab mind.

All of this aside, the point is that it is time to stop thinking about stabilizing Syria and Iraq and start thinking of a new dynamic outside of the artificial states that no longer function. To do this, we need to go back to Lebanon, the first state that disintegrated and the first place where clans took control of their own destiny because they had to. We are seeing the Lebanese model spread eastward. It will be interesting to see where else its spreads.”

Para combater o extremismo do IE será preciso que as sociedades democráticas ocidentais consigam encontrar maneiras de combater a disseminação do discurso de ódio e a atuação de elementos radicais. O que implica em reformas legais delicadas, em muitos casos, é preciso também que se ofereça narrativas atraentes que combatam o discurso radical. Tudo isso sem abrir mão dos valores que construíram essas sociedades, como controle constitucional do governo, rule of the law, liberdades individuais e civis.

Além disso, é claro é preciso enfrentar o Estado Islâmico em combate e reconquistar os territórios que eles dominam, mas respeitando a complexa arquitetura das relações humanas e políticas das diversas regiões.

O tabuleiro é complexo e o jogo é medido em vidas humanas e em sofrimento humano cuja memória estará presente nas próximas décadas, provavelmente por todo século XXI – afinal, famílias irão lembrar mortes e estupros e jovens poderão desejar vingar isso tudo – é impossível não pensar estarão os líderes mundiais estão a altura desse desafio?

Por hora a maldade está vencendo e obscurecendo o cenário e as análises dele. O diabo (metafórico ou real a depender da sua visão de mundo), meus caros, vive nos detalhes.

Leia Mais